Clique e assine a partir de 9,90/mês

MPF denuncia André Vargas e mais três por lavagem de dinheiro

Já condenado a 14 anos de prisão na Lava Jato, ex-deputado petista é acusado de receber propina em contrato de informática da Caixa Econômica Federal

Por João Pedroso de Campos - Atualizado em 10 nov 2016, 21h22 - Publicado em 10 nov 2016, 20h57

A força-tarefa da Operação Lava Jato denunciou à Justiça Federal o ex-deputado federal André Vargas (ex-PT-PR) e mais três acusados por lavagem de dinheiro a partir da contratação de uma empresa de informática pela Caixa Econômica Federal em 2013. O conteúdo da denúncia, apresentada no final de outubro, veio à tona nesta quinta-feira.

Caberá ao juiz Sergio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato em Curitiba, decidir se acolhe a denúncia e torna réus, além de Vargas, seu irmão, Leon Vargas, o empresário Marcelo Simões e a ex-contadora do doleiro Alberto Yousseff, Meire Poza.

Segundo os procuradores do Ministério Público Federal (MPF), em troca de propina, Vargas, ex-vice-presidente da Câmara, influenciou politicamente a contratação da IT7 Sistemas Ltda., de Simões, pela Caixa para a prestação de serviços de suporte de informática. O final valor do contrato, superfaturado, conforme detectou o Tribunal de Contas da União (TCU), foi de 71,3 milhões de reais.

Para fazer com que a contrapartida em dinheiro sujo chegasse a suas mãos, o ex-petista pediu a seu irmão Leon que procurasse Alberto Youssef, “sobretudo porque conhecia de sua atuação como operador financeiro junto ao esquema da Petrobras e sua capacidade de lavar dinheiro”, afirma a força-tarefa da Lava Jato. O doleiro passou a Meire Poza, então seu braço-direito, a tarefa de operacionalizar a lavagem de 2,3 milhões de reais a serem repassados pela IT7 Sistemas.

Continua após a publicidade

Conforme os investigadores, a contadora se utilizou de duas de suas empresas de fachada, a Arbor Consultoria e Assessoria e a AJJP Serviços Administrativos, para emitir notas fiscais falsas à empresa de Marcelo Simões, justificadas por supostos serviços de consultoria tributária e contábil. O 2,3 milhões de reais pela empresa de informática, pagos em três parcelas em janeiro de 2014, foram destinados a André Vargas por meio de Leon Vargas.

Baseados, entre outras evidências, nas delações premiadas de Youssef e de um de seus entregadores de dinheiro, Rafael Ângulo Lopez, além dos depoimentos de Poza, os procuradores sustentam que o irmão de Vargas chegou a receber 1,6 milhão de reais no apartamento funcional do ex-deputado, em Brasília, em fevereiro de 2014. O Ministério Público Federal pede na denúncia o perdimento dos 2,3 milhões de reais pagos em propina no contrato da Caixa.

Preso em Curitiba desde abril de 2015, Vargas já foi condenado a 14 anos e quatro meses de prisão por Moro pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ele recebeu cerca de um milhão de reais em propina de um contrato da agência de publicidade Borghi Lowe com a Caixa e o Ministério da Saúde. Seu irmão foi condenado a 12 anos e dez meses de prisão nesta ação penal.

Publicidade