Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

MPF denuncia 4 por manter mão de obra escrava em SP

Os trabalhadores contraíam dívidas pelo que consumiam, viviam sob constante ameaça e tinham restrita liberdade de locomoção

Por Da Redação 29 ago 2011, 15h15

O Ministério Público Federal denunciou quatro pessoas por utilização de mão de obra escrava em lavouras de café nos municípios de Garça e Vera Cruz, no interior paulista. Entre eles estão três fazendeiros e um “gato” – profissional que contrata e fiscaliza trabalhadores rurais durante a execução das tarefas.

A existência do trabalho escravo foi descoberta por auditores fiscais do Ministério do Trabalho durante fiscalização realizada em junho de 2009. No Sítio Engenho Velho, no município de Garça, foi encontrada a pior situação. No local, 21 trabalhadores eram mantidos em condições de escravidão.

Os trabalhadores contraíam dívidas pelo que consumiam, viviam sob constante ameaça e tinham restrita liberdade de locomoção. Segundo o procurador da República Célio Vieira da Silva, autor da denúncia, os trabalhadores viviam em alojamentos “indignos de ocupação humana”, sem janelas nem camas e com paredes repletas de frestas e rachaduras. Boa parte dos trabalhadores não tinha nenhum tipo de registro de trabalho e todos recebiam salários abaixo do piso, com descontos irregulares a título de alimentação e vestuário.

No Sítio Santa Euclides, na Fazenda Três Irmãos e na Nova Mandaqui, todos em Garça, e na Fazenda Santa Paulina, em Vera Cruz, os auditores lavraram 38 autos de infração, envolvendo 202 trabalhadores que não tinham registro trabalhista, não receberam equipamentos de segurança e moravam em alojamentos precários. Nessas propriedades, as moradias eram construídas em madeira, algumas cobertas com papelão ou lona, e tinham buracos e frestas nas paredes. Nos alojamentos não foram encontrados banheiros nem fossas sépticas.

Durante a fiscalização foi regularizada a situação de todos os trabalhadores, com registro em carteira, rescisão contratual e pagamento de todos os direitos. Também foram emitidos os requerimentos de seguro-desemprego e todos receberam ajuda para regressar às suas regiões de origem. Os agricultores e o ‘gato’ foram denunciados por redução à condição análoga à de escravo, com pena de reclusão de dois a oito anos. Eles também responderão por atentado contra a liberdade de trabalho e frustração de direito assegurado por lei trabalhista.

Continua após a publicidade

(Com Agência Estado)

LEIA TAMBÉM

Marca Zara está envolvida em denúncia de trabalho escravo

Após denúncia, dona da Zara revisará condições de trabalho

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)