Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

MPF abre investigação para apurar fraudes na fila de vacinação de Manaus

Prefeitura terá que informar lista de profissionais de saúde vacinados após médicas recém-formadas terem sido imunizadas antes de agentes da linha de frente

Por Da Redação Atualizado em 11 fev 2021, 10h07 - Publicado em 22 jan 2021, 11h33

O MPF (Ministério Público Federal) abriu uma investigação sobre possíveis fraudes durante a vacinação em Manaus, entre elas o fato de algumas pessoas terem passado à frente de grupos prioritários. O órgão também recomendou a David Almeida (Avante), prefeito da capital, que revogue uma portaria que impede servidores de registrarem o momento em que tomam a vacina contra Covid-19.

A prefeitura terá que repassar em 24 horas a lista dos profissionais de saúde, com nome, CPF e cargo, que foram vacinados contra Covid-19 nos dias 18 e 19 de janeiro.  O município deve fornecer ainda, em doze horas, a escala de trabalho na UBS Nilton Lins em janeiro, indicando o cargo que cada um ocupa e os critérios adotados para a ordem de vacinação.

A polêmica ganhou corpo depois que duas médicas recém-formadas, de uma família influente na cidade, foram vacinadas antes de profissionais que atuam na linha de frente no combate à pandemia — as irmãs gêmeas Gabrielle Kirk Maddy Lins e Isabelle Kirk Maddy Lins serão ouvidas pelo MPF.  Ambas postaram em redes sociais o momento em que receberam o imunizante.

A investigação teve início depois de uma live realizada por David Almeida em seu Facebook, na terça-feira, 19. No vídeo, o prefeito anuncia uma portaria que proíbe servidores públicos de compartilharem nas redes sociais a sua própria vacinação. O MPF recomendou que o prefeito faça um novo vídeo informando que é permitido aos funcionários mostrarem o momento que receberam a CoronaVac e que qualquer norma desse tipo seja revogada.

Continua após a publicidade

Segundo o MPF, há improbidade administrativa na ação de David Almeida e o interesse público se sobrepõe ao interesse privado. Para o órgão, gravar ou tirar fotos ao tomar a CoronaVac não é ofensivo, nem criminoso, mas uma forma de prestação de contas da destinação das doses. O prefeito de Manaus tem 25 horas para informar as medidas adotadas para o cumprimento dessa recomendação ou motivos para ela não ter sido realizada.

Vacinação paralisada 

A imunização contra Covid-19 foi suspensa na quinta-feira, 21, em Manaus, depois de denúncias de fraude na aplicação da CoronaVac para pessoas de grupo não prioritários. De acordo com a prefeitura, a paralisação é “para que o governo do estado apresente um plano reorganizado de distribuição das doses nas unidades da rede estadual, com os critérios de definição de prioridades”.

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.