Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MP apura relação do presidente da Mangueira com o tráfico de drogas

Justiça recebeu pedido de quebra de sigilo bancário de Ivo Meirelles e da escola de samba

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) pediu à Justiça a quebra do sigilo bancário do presidente da Estação Primeira de Mangueira, Ivo Meirelles, no período entre abril de 2009 – um mês antes da posse dele – até dezembro de 2012. O MP também requereu as declarações de imposto de renda do músico, bem como a quebra do sigilo bancário da escola de samba. Em outubro de 2011, Ivo foi indiciado no inquérito 017/1045/2011, da 17ª Delegacia de Polícia (São Cristóvão), pelo crime de associação para o tráfico de drogas no Morro da Mangueira, zona norte da capital.

O inquérito foi instaurado em março daquele ano, após a Ouvidoria do MP-RJ receber uma denúncia anônima de que Meirelles teria sido imposto na presidência da Mangueira pelos traficantes Alexander Mendes da Silva, o Polegar, que está preso, e Vinicius de Lima Pereira, o Chevette. Em troca, ele pagaria 150.000 reais mensais ao tráfico – dinheiro que seria desviado da escola de samba. Após o indiciamento pela Polícia Civil, o inquérito foi remetido ao MP, que pediu novas investigações. Em novembro de 2012, o MP solicitou ao juízo da 39ª Vara Criminal a quebra do sigilo fiscal de Meirelles e da Mangueira. No início deste mês, o Banco Central informou ao MP-RJ que em nome de Meirelles há 6 contas correntes. Já a escola de samba possui 54 contas.

Caso a Justiça concorde com a quebra do sigilo bancário de Meirelles e da escola de samba, o MP-RJ vai procurar alguma transação financeira que comprove a ligação do músico com os traficantes da Mangueira. Em depoimento, Meirelles admitiu que conhece Polegar e seu tio Francisco Paulo Testas Monteiro, o Tuchinha, que já cumpriu pena pela acusação de ter chefiado o tráfico na Mangueira. O músico alegou que os conhece de infância, já que todos são nascidos e criados na favela.

Meirelles negou conhecer o traficante Lucio Mauro Carneiro dos Passos, o Biscoito, apesar de aparecer numa foto, anexada ao inquérito, bebendo cerveja com ele e Tuchinha. Biscoito está preso. “Ivo não nega que conhece Tuchinha desde a infância. Naquela ocasião, eles estavam numa churrascaria, que é um local público, celebrando a saída de Tuchinha da cadeia depois de 16 anos e a sua decisão de não retornar ao tráfico. E não vão achar nada na quebra de sigilo dele: apenas a movimentação do dinheiro que ele ganha como músico”, afirmou o advogado de Meirelles, Sergio Riera.

Comércio fechado – Pelo segundo dia consecutivo, o comércio no Morro da Mangueira permaneceu fechado na terça-feira por ordem do tráfico. O luto foi imposto após o traficante Acir Ronaldo Monteiro da Silva, o 2K, ter sido assassinado, na noite de domingo, na zona oeste. Outros dois homens ligados à escola de samba foram executados na madrugada de segunda. A polícia ainda investiga se os crimes estão relacionados à eleição para a presidência da Mangueira. O traficante 2K foi acusado por Ivo Meirelles de ter invadido a quadra da Mangueira durante a eleição para a presidência da agremiação, em março do ano passado. O pleito foi parar na Justiça, que marcou a data da votação para 28 de abril.

Leia também:

Leia também: A guerra da Mangueira agora é política

(Com Estadão Conteúdo)