Clique e assine a partir de 9,90/mês

MP: advogado ligado a Flávio tentou ocultar provas e atrapalhar inquérito

Luis Gustavo Botto Maia ajudou a maquiar ação de servidores fantasmas na Alerj, tentou elaborar plano de fuga para Queiroz e esteve com Wassef em Atibaia

Por Cássio Bruno - Atualizado em 19 Jun 2020, 17h36 - Publicado em 19 Jun 2020, 17h33

O engenhoso plano de destruição e ocultação de provas do esquema de “rachadinha” no gabinete do ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), tinha um personagem então desconhecido. Pelo menos até a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do hoje senador e amigo do clã presidencial, nesta quinta-feira, 18. Trata-se do advogado Luis Gustavo Botto Maia. Um dos alvos de busca e apreensão da Operação Anjo, desencadeada pelo Ministério Público estadual, ele teve papel fundamental para tentar enganar os promotores do caso e a Justiça. Segundo a denúncia do MP, de 80 páginas, Botto Maia “extrapolou todos os limites do exercício da advocacia” e passou a atuar “de forma criminosa”.

Foi Luis Gustavo Botto Maia quem ajudou a convencer Luiza Paes Souza, funcionária fantasma no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj, a encobrir os indícios da suposta “rachadinha” – quando o funcionário entrega parte do salário ao seu superior hierárquico, o que é ilegal. Luiza foi assessora de Flávio entre 2011 e 2012. Botto Maia, Queiroz e o pai da ex-servidora, Fausto Antunes Paes, combinaram versões de depoimentos ao MP e a fraude na folha de ponto da Alerj não assinada por Luiza durante o tempo em que ela ficou nomeada. O grupo temia que jornalistas descobrissem que Luiza não frequentava a Assembleia e, mesmo assim, recebia salário.

ASSINE VEJA

Acharam o Queiroz. E perto demais Leia nesta edição: como a prisão do ex-policial pode afetar o destino do governo Bolsonaro e, na cobertura sobre Covid-19, a estabilização do número de mortes no Brasil
Clique e Assine

“Depois de receber as ordens e instruções do Dr. Luis Gustavo Botto Maia, de Alessandra Esteves Marins e de Fabrício José Carlos de Queiroz nos dias anteriores, a ex-assessora Luiza Paes Souza, finalmente, compareceu à Alerj no dia 24 de janeiro de 2019, onde se encontrou com o servidor Matheus Azeredo Coutinho e efetivamente adulteram as provas dos crimes de peculato ao inserirem informações falsas em documentos públicos, assinando retroativamente os registros de pontos relativos ao ano de 2017, com a clara finalidade de embaraçar as investigações acerca da organização criminosa que desviava recursos públicos pelo esquema das rachadinhas com atuação de funcionários fantasmas”, escreveram os promotores na denúncia ao juiz da 27ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), Flávio Itabaiana Nicolau.

Alessandra Esteves Marins está lotada atualmente no gabinete de Flávio Bolsonaro no Senado. Antes, ela trabalhou com Flávio na Alerj. Em maio do ano passado, a Justiça quebrou o sigilo financeiro dela. Alessandra também foi alvo de busca e apreensão na Operação Anjo. Assim como Matheus Azeredo Coutinho, auxiliar do Departamento de Legislação, ligado à Diretoria de Recursos Humanos da Assembleia. Entre as funções dos comissionados deste departamento está atualizar os cadastros dos parlamentares e dos servidores ativos e inativos.

Continua após a publicidade

“Luis Gustavo Botto Maia colaborou de forma decisiva para embaraçar a investigação penal, pois, ao ser avisado sobre a existência das folhas de ponto em branco que poderiam comprovar a atuação de funcionários fantasmas na organização criminosa, forneceu o contato telefônico de Luiza Souza Paes e Matheus Azeredo Coutinho e ainda trocou mensagens de texto e áudio com a servidora fantasma para aplacar o temor de se tratar de algo perigoso, induzindo-a a encontrar o servidor do Departamento de Legislação de Pessoal para juntos adulterarem os documentos públicos”, afirma o MP.

Os tentáculos de Luis Gustavo Botto Maia vão além. De acordo com o MP, o advogado participou do planejamento de fuga de Fabrício Queiroz e da família dele em dezembro de 2019. Os promotores encontraram mensagens sobre o assunto nos celulares de Queiroz e de sua esposa Márcia Aguiar, que está foragida. À época, eles teriam a ajuda de Adriano da Nóbrega, ex-capitão do Bope (Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do Rio) e apontado como líder de um grupo de milicianos. A trama incluiu Raimunda Magalhães Veras, mãe de Adriano, morto em uma operação da polícia da Bahia, em fevereiro deste ano. Raimunda e a ex-mulher do miliciano Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega já foram nomeadas no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj.

Queiroz foi preso em Atibaia, no interior de São Paulo. Ele estava em um imóvel que funcionava como escritório de advocacia de Frederick Wassef, ligado à família Bolsonaro. A Operação Anjo é uma referência a Wassef já que seu apelido é “Anjo”. Na denúncia, os promotores dizem ter indícios de que Botto Maia se reuniu com Wassef e Queiroz no esconderijo em Atibaia. A força-tarefa do MP afirma ainda ter “provas robustas e consistentes” para pelo menos três crimes: peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. No organograma do grupo, Queiroz é apontado como operador financeiro de um esquema liderado pelo senador Flávio Bolsonaro. Na ação, foram apreendidos de Botto Maia telefones celulares, computadores e documentos comprobatórios de adulteração de provas e de intimidação de testemunhas. O advogado está proibido de ter contato com pessoas envolvidas na investigação.

Desde abril deste ano, Botto Maia está lotado no gabinete do deputado estadual bolsonarista Renato Zaca (sem partido). Tem salário de R$ 9,8 mil. Em nota, o parlamentar disse que demitirá Botto: “Após sair da liderança do PSL na Alerj, em abril deste ano, Luís Gustavo Botto Maia foi nomeado no meu gabinete para compor a equipe do jurídico. Auxiliava na assessoria jurídica e parlamentar. É um excelente advogado, mas, diante dos fatos e medida judicial que determina o afastamento da função pública, será exonerado na data de hoje (quinta-feira).” No entanto, a demissão ainda não foi publicada no Diário Oficial.

Continua após a publicidade

Luis Gustavo Botto Maia foi o responsável pelas contas eleitorais da campanha de Flávio Bolsonaro ao Senado, em 2018, e também do PSL. O Corpo de Bombeiros foi o elo para os dois se conhecerem, em 2011, durante uma greve da corporação. Um dos líderes do movimento, o SOS Bombeiros, tinha na liderança o capitão Lauro Botto, irmão de Luis. Em 2014, Lauro foi candidato a deputado federal pelo PHS, mas perdeu.

Botto Maia foi nomeado pela primeira vez na Alerj, em 2019, como chefe de gabinete da liderança do PSL, quando o deputado bolsonarista Dr. Serginho (Republicanos) era o líder do partido. Após o racha no PSL entre apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e do governador Wilson Witzel, Botto Maia foi transferido para o gabinete de Renato Zaca. O advogado recebeu a medalha “Avante Bombeiro” das mãos do comandante da Defesa Civil, Roberto Robaday. A honraria é dada para quem tenha “ações que geraram benefícios consideráveis” à corporação.

Procurado por VEJA, Luis Gustavo Botto Maia não foi localizado.

Publicidade