Clique e assine a partir de 8,90/mês

Movimentos fazem ato pró-Lava Jato na Paulista

Grupos que pediram o impeachment voltam às ruas neste domingo (26/03) para defender a Lava Jato e protestar contra o foro privilegiado e o voto em lista

Por Eduardo Gonçalves - Atualizado em 26 mar 2017, 22h39 - Publicado em 26 mar 2017, 16h30

Os mesmos movimentos que pediram o impeachment de Dilma Rousseff em 2015 e 2016 voltaram às ruas neste domingo (26/03) em ato a favor da Operação Lava Jato, pelo fim do foro privilegiado e contra o voto em lista fechada. Bem diferente dos protestos Fora Dilma, a manifestação, agendada desde fevereiro, conseguiu ocupar apenas dois quarteirões da Av. Paulista.

Seis movimentos diferentes, entre eles o Vem pra Rua, o Brasil Livre (MBL), o Nas Ruas e os que pedem Intervenção Militar, cada um com um trio elétrico, se espalharam em blocos pequenos pela via, deixando espaços vazios entre eles. A maior concentração aconteceu na frente do Museu de Arte de São Paulo (Masp), onde ficou posicionado o carro do Vem pra Rua. O grupo trouxe o maior trio para o ato, com banda de música e convidados do meio artístico e jurídico, como a atriz Regina Duarte e o jurista Miguel Reale Júnior.

Dos carros de som, as lideranças dos movimentos minimizavam a baixa adesão, dizendo que foram determinantes para apear a ex-presidente Dilma do cargo  no ano passado. “Não se preocupe se a Paulista está vazia. O importante é que estamos aqui. Fomos nós que derrubamos a Dilma e criamos o Pixuleco”, disse uma porta-voz do movimento Acorda Brasil, fazendo menção ao boneco de Lula vestido como presidiário.

Temas áridos

Longe dos microfones, porém, os coordenadores dos grupos reconheciam que o ato era menor do que o esperado por tratar de temas áridos para a maioria da população e por não ter como alvo um inimigo comum, como foi nos protestos anteriores. “Se o Temer tivesse feito alguma coisa mais forte para pedirmos a cabeça dele. Ou o Lula, para pedir a prisão. O governo federal até tirou o pé nas ações contra a Lava Jato para não insuflar [a manifestação]. Não tem um inimigo comum nem um grito de guerra. E esses assuntos são chatos”, disse o representante de um movimento.

Além das três reivindicações principais, os grupos também pleiteiavam pautas específicas. O MBL, por exemplo, defendia propostas alternativas de reformas da previdência e trabalhista. “Quem acha que a CLT é um lixo aqui, levanta a mão”, gritou Arthur Moledo, do MBL, sendo correspondido pelo público. O Nas Ruas pediam o fim do Estatuto do Desarmamento com o mote “Armas pela Vida”

Sem políticos

Apesar de terem como alvo principal o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a quem representaram com fisionomia de vampiro, os manifestantes vestidos de verde e amarelo entoaram gritos contra os políticos em geral. Os mais citados foram os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Eunício Oliveira (PMDB-CE), ex e atual presidente do Senado. “Quem estava na rua para derrubar a Dilma agora voltou para tirar todos os políticos corruptos”, afirmou Kim Kataguiri, coordenador do MBL. “Se a Lava Jato não tirar, nós vamos tirar todos eles do poder”, exclamou Rogério Chequer, líder do Vem pra Rua.

Em atos anteriores, políticos que eram da oposição a Dilma e agora fazem parte da base de Temer chegaram a discursar em carros de som e foram bastante assediados pelos manifestantes. Neste domingo, eles eram figuras raras. Os únicos que vieram foi o deputado Major Olimpio (SD-SP). que pediu “cadeia para todo mundo” em cima do trio; e o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), que foi aclamado como candidato a presidente em 2018 e distribuiu selfies para o público.

Assim como nos últimos atos, os grandes ídolos foram o juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, que foram representados em máscaras e cartazes. “A Justiça tem nome: Moro” e “Somos todos Moro” diziam deles. Com um forte esquema de segurança, o boneco do Lula presidiário, o Pixuleco, que já foi furado em diversas ocasiões, foi inflado e uma longa faixa pedindo o fim do foro privilegiado percorreu a Avenida.

 

Continua após a publicidade
Publicidade