Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Motoristas protestam contra a violência em Fortaleza; greve continua em São Luís

Protesto no Ceará começou depois que um motorista e um cobrador foram esfaqueados em tentativa de assalto. Em São Luís, 100% da frota está parada

Motoristas e cobradores de ônibus protestam em duas capitais do Nordeste nesta quinta-feira. Em Fortaleza (CE), os rodoviários fecharam pela manhã todos os terminais de ônibus em protesto contra a violência, segundo informou o Diário do Nordeste. Já em São Luís (MA), o sindicato entrou com uma ação de dissídio coletivo de natureza econômica no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) e realizou assembleia para avaliar a situação da greve. A estimativa é que as paralisações nos transportes prejudiquem ao menos 1,7 milhão de pessoas nos dois Estados.

A greve começou na capital cearense logo após um motorista e um cobrador, que faziam a linha Parque Santa Maria/Siqueira, serem esfaqueados em uma tentativa de assalto na noite de quarta-feira. O motorista morreu na manhã desta quinta-feira e o cobrador permanece hospitalizado em estado grave. Ele corre o risco de ficar paraplégico.

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Ceará (Sintro), Domingos Neto, a paralisação ocorrerá durante toda a quinta-feira. Ao todo, cerca de seis mil trabalhadores estão parados.

Os terminais começaram a ser fechados ainda na madrugada, depois que os trabalhadores souberam do assalto ao coletivo e foram informados sobre o estado de saúde dos colegas de trabalho. Segundo a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), ainda há alguns coletivos nas ruas. O número de passageiros nos pontos é grande.

O sindicato espera providências dos órgãos de segurança para conter os casos de violência contra a categoria.

Maranhão – Nesta quinta-feira, a capital maranhense amanheceu, pelo 3º dia consecutivo, sem transporte coletivo. 100% da frota está parada. O Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário do Estado do Maranhão (Stremma) entrou com uma ação de dissídio coletivo de natureza econômica no TRT. O julgamento deve começar nesta quinta-feira, mas pode levar até dez dias para ser concluído.

Na noite de quarta-feira, uma tentativa de conciliação acabou fracassando. A greve afeta cerca de 750.000 pessoas. Às 10h desta quinta-feira, está marcada uma assembleia de motoristas e cobradores para avaliar a situação e decidir se os ônibus voltam a circular enquanto o julgamento não é concluído.

O sindicato quer reajuste salarial de 16%, aumento do vale-alimentação para 500 reais por mês, inclusão de um dependente no plano de saúde e implantação de plano odontológico. Os reflexos da greve geral dos rodoviários são vistos por toda a região metropolitana de São Luís. Sem os coletivos, quem depende do transporte coletivo teve que recorrer mais uma vez ao transporte informal.

(Com Estadão Conteúdo)