Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Ministro diz que resgatar fatos da ditadura é perda de tempo

José Elito Siqueira recebeu o cargo de ministro do GSI nesta segunda-feira

Por Luciana Marques 3 jan 2011, 18h43

O primeiro dia útil do novo governo já revela divergências entre ministros escolhidos pela presidente Dilma Rousseff. O novo ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), José Elito Carvalho Siqueira, saiu na direção contrária do que defendeu a nova ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, sobre a Comissão da Verdade. Ambos receberam os cargos nesta segunda-feira.

Siqueira criticou a instalação da Comissão da Verdade, que tem a função de prestar esclarecimentos dos casos de tortura, mortes e desaparecimentos ocorridos durante o Regime Militar. “Nós veremos situações de passado, pontuais, que não levam a nada. Temos que pensar para frente, na melhoria do nosso país, das nossas gerações. Podemos estar perdendo tempo, espaço e velocidade se ficarmos sendo pontuais em situações isoladas do passado”, avaliou.

Para o ministro, o golpe militar faz parte da história, assim como o 7 de setembro. “Temos que ver 31 de março [de 1964] como um dado histórico de nação, seja com prós e contras. Da mesma forma os desaparecidos. Não temos que nos envergonhar ou nos vangloriar. Nós temos que enfrentar, estudar, discutir como fato histórico”, declarou.

O comandante do Exército, Enzo Martins Peri, defendeu a mesma posição de Siqueira, sendo breve nas palavras. “A história está escrita. Vamos olhar para frente”, repetiu duas vezes, após insistência dos jornalistas.

Na manhã desta segunda, ao receber o cargo, Maria do Rosário fez um apelo ao Congresso para que aprove o projeto de criação da Comissão da Verdade. A ministra, no entanto, tentou mostrar-se conciliadora: “Não se trata, jamais, de qualquer atitude de revanche, como disse, em seu discurso, a presidente Dilma”. O novo ministro do GSI também defendeu aproximação das pastas e disse que vai cumprir o que for determinado pela Presidência.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, que travou duras discussões com o ex-ministro de Direitos Humanos Paulo Vanucchi, estava presente nas duas cerimônias.

CDs – Nos últimos dias do governo anterior, a Secretaria dos Direitos Humanos e o Ministério da Educação decidiram reunir informações sobre desaparecidos políticos no período de ditadura em um CD ROM a ser distribuído em escolas públicas do país. Intitulado “Direito à memória e à verdade”, o material desagrada setores do Exército que defendem que o passado não deve ser retomado. O novo ministro do GSI preferiu não comentar o assunto.

Continua após a publicidade

Publicidade