Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ministério da Justiça e PF estão em harmonia, diz Torquato Jardim

"Não há nomes. Há instituições. Não estamos preocupados com personalidades, estamos comprometidos com a instituição", afirmou o ministro

Por Da redação
Atualizado em 24 jun 2017, 15h25 - Publicado em 24 jun 2017, 15h06

Em um pronunciamento de menos de cinco minutos ao lado do diretor da Polícia Federal, Leandro Daiello, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, tentou desmentir neste sábado (24) rumores sobre a saída do diretor da PF, ao destacar que “não há nomes, e sim instituições”, mas não respondeu se o diretor está garantido no cargo. “Não há nomes. Há instituições. Não estamos preocupados com personalidades, estamos comprometidos com a instituição”.

“O Ministério da Justiça e a Polícia Federal fazem questão de expressar à sociedade brasileira a sua absoluta harmonia na condução das duas instituições. O noticiário que está aí é, para usar um termo moderno, a pós-verdade, não corresponde à realidade, não constrói afabilidade, em nada ajuda a boa condução dos interesses públicos”, disse Torquato. “Daiello e eu temos trabalhado, desde que aqui cheguei, com a mais absoluta harmonia e camaradagem, ambos igualmente comprometidos com a instituição Polícia Federal”, afirmou o ministro.

Torquato saiu da sala sem responder as perguntas de jornalistas e deixou o diretor da PF na mesa. Daiello fez uma breve fala aos jornalistas, destacando que apresentou a pauta da instituição desde o início da gestão de Torquato e também saiu sem responder a imprensa.

O Ministério da Justiça havia informado que haveria uma coletiva de imprensa para desmentir o que a Pasta chamou de “boatos” sobre a saída do diretor. Durante sua breve fala, o ministro disse que o projeto de administração é de modernidade, tecnologia e internacionalização. “É preciso ir além das fronteiras, isso significa mais tecnologia”, disse, tentando aparentar normalidade.

Continua após a publicidade

“Qual é o projeto desta administração deste Ministério da Justiça com a Polícia Federal? É a modernidade, tecnologia, é internacionalização da sua capacidade operacional”, disse. “Atuar além-fronteira significa mais tecnologia, a melhor possível, essa é a primeira prioridade. E a segunda prioridade é a capacitação de meios e de pessoal para atuação internacional.”

Mais cedo, a Coluna do Estadão informou que Torquato e Daiello se reuniram em meio às especulações de que o diretor-geral será substituído do cargo e no momento em que a PF concluiu o inquérito que investigou o presidente Michel Temer. O inquérito concluiu que o presidente cometeu crime de corrupção e que a gravação feita por Joesley Batista de conversa com o peemedebista no Palácio do Jaburu não teve edições. O áudio é uma das provas apresentadas por Joesley em sua delação premiada.

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.