Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Militares da Marinha são acusados de matar policial com golpes e tiros

O corpo do perito papiloscopista foi transportado por uma viatura da força armada e foi jogado no Rio Guandu, em Japeri, município da Baixada Fluminense

Por Adriana Cruz Atualizado em 16 Maio 2022, 18h17 - Publicado em 16 Maio 2022, 11h52

Com golpes de gravata e tiros, três militares da Marinha são acusados de matar o papiloscopista Renato Couto, em um ferro-velho, na Praça da Bandeira, Zona Norte, na sexta-feira 13. Em depoimento à polícia ao qual VEJA teve acesso, uma testemunha contou que “enquanto três, um por trás, aplicando uma gravata, e dois pelos lados, seguravam a vítima, o quarto algoz apontava uma pistola”. E diziam: “aplica logo esse cara”. Foram feitos três disparos contra o policial, que estava subjugado e repetia que não havia feito nada.

O corpo foi levado por uma viatura da Marinha e jogado no Rio Guandu, em Japeri, Baixada Fluminense, um dos principais responsáveis pelo abastecimento de água do Rio de Janeiro e outros sete municípios da Região Metropolitana. Um cabo e dois sargentos e pai de um deles foram presos por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. O corpo da vítima foi localizado pelos bombeiros na manhã desta segunda-feira, 16.

O primeiro-sargento Bruno Santos de Lima foi preso com o pai, o dono de ferro-velho Lourival Ferreira de Lima, e os também militares do 1º Distrito Naval, Vitor Silva Soares e Daris Fidelis Motta. Ele alegou na delegacia que o perito havia acusado o pai de receber material furtado de uma obra dele e exigiu o pagamento de 10 mil reais. Ao ser informado de que o policial estava no local, Bruno, que disse estar portando uma pistola particular, arregimentou os subordinados Vitor e Daris para emboscar o perito. Depois do crime, o grupo voltou ao 1º Distrito Naval para continuar tirando o serviço.

Em nota, a Marinha se solidarizou com familiares da vítima e repudiou o episódio, que atenta contra a honra e os princípios militares. A força armada também abriu uma investigação sobre o caso.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)