Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MG terá monitoramento em áreas alagadas

Por AE

São Paulo (AE) – A chuva intensa em Minas Gerais ainda causa estragos em várias regiões. Até o momento, 228 municípios contém áreas de risco de desabamentos e deslizamentos de encostas. A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec-MG) está mapeando as alterações ocorridas no solo devido ao grande volume de água.

A Defesa Civil de Minas Gerais informou que 20 municípios foram vistoriados ontem. As primeiras cidades que passaram por analises geológicas foram Ouro Preto, na região central, e Além Paraíba, na Zona da Mata. De acordo com o Cedec, a Secretaria Nacional de Defesa Civil enviou ao Estado uma equipe de 14 geólogos especializados em prevenção a desastres naturais para monitorar as cidades que apresentam riscos de acidentes.

Até agora foram 15 mortes confirmadas e 168 feridos. Além disso, três pessoas continuam desaparecidas, 52.723 pessoas desalojadas e 4639 desabrigadas. Ainda de acordo com a Defesa Civil, 16.636 casas foram danificadas e 639 foram destruídas pela chuva. Além de 330 pontes destruídas e 459 edificações danificadas. Os números divulgados no boletim de hoje ainda são os mesmos do fim de semana. Os dados liberados pela Defesa Civil de Minas Gerais são a soma de todo o período de chuva no Estado desde outubro.

Minas Gerais receberá recursos federais para remediar os estragos causados pelas chuvas. O dinheiro que será repassado ao Estado terá o acompanhamento dos tribunais de Contas da União (TCU) e de Minas Gerais. O governo federal quer evitar erros nos contratos para o repasse das verbas para os municípios. O Tribunal de Contas de Minas Gerais vai trabalhar com gestores municipais que supervisionarão a formatação do pedido de verba para cada localidade atingida. As informações são da Agência Brasil.