Clique e assine a partir de 9,90/mês

Metroviários de São Paulo decidem por greve a partir desta terça-feira

'Greve acontecerá pela defesa dos direitos e o corte de 10% dos salários', diz sindicato. TRT determinou que 95% dos serviços funcionem no horário de pico

Por Agência Brasil - 27 jul 2020, 22h39

Os metroviários de São Paulo decidiram em assembleia na noite desta segunda-feira, 27, iniciar greve a partir da 0h desta terça-feira, por tempo indeterminado, em protesto contra o corte de salários e de direitos. Serão afetadas as linhas 1 (Azul), 2 (Verde), 3 (Vermelha) e 15 (Prata). Dos 2.506 metroviários participantes na assembleia, 73,3% votaram por iniciar a greve a partir de amanhã; 21,7%, contra a paralisação; e 5%, abstiveram-se.

“A greve acontecerá pela defesa dos direitos e o corte de 10% dos salários, anunciados na última quinta-feira à noite”, destacou, em nota, o Sindicato dos Metroviários.

Segundo a entidade, desde março, o sindicato tem procurado, sem sucesso, o Metrô propondo a prorrogação do Acordo Coletivo, que venceu em 30 de abril.

Na tarde desta segunda, a Justiça do Trabalho de São Paulo (TRT-2) concedeu parcialmente uma liminar para Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), estabelecendo o funcionamento de 95% dos serviços no horário de pico (das 6h às 9h e das 16h30 às 19h30) e 65% nos demais horários em todas as estações.

Continua após a publicidade

“Os percentuais estabelecidos dizem respeito à prestação do serviço, e não à mão de obra devidamente colocada para tanto. Deverão ainda ser observadas, durante o período de greve, as atribuições de cada funcionário, inclusive dos engenheiros, não se admitindo alterações objetivas do contrato”, destacou o tribunal.

Caso a liminar não seja respeitada, será aplicada multa diária de R$ 150 mil e R$ 500 mil, nos trabalhadores e na empresa, respectivamente. O julgamento da greve e do dissídio da categoria está agendado para o próximo dia 29, a partir das 15 horas. Procurado, o Metrô ainda não se manifestou.

Publicidade