Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Megaoperação mira facções criminosas em catorze estados e no DF

Foram emitidos 266 mandados de prisão e 203 de busca e apreensão

Uma megaoperação contra integrantes de facções criminosas acontece nesta terça-feira em catorze estados e no Distrito Federal. A ação é coordenada pelo Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (Gnoc), criado para combater o crime organizado no Brasil, com apoio de Grupos de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaecos), do Ministério Público.

Acre, Alagoas, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Roraima, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins tiveram ações para cumprir 262 mandados de prisão e 200 de busca e apreensão. O objetivo é prender integrantes das facções criminosas Primeiro Comando da Capital (PCC), Comando Vermelho (CV), Terceiro Comando Puro (TCP), Amigo dos Amigos (ADA), Primeiro Comando de Vitória (PCV) e Okaida RB.

No Rio de Janeiro, duas ações distintas ocorrem nas cidades de Macaé e Magé. Em Macaé, o MP e o Gaeco, em parceria com a Polícia Civil, realizaram a Operação Falkland para cumprir oito mandados de prisão preventiva por associação ao tráfico e comércio de drogas, com emprego de arma de fogo. A denúncia aceita pela 1ª Vara da Comarca de Macaé também teve participação da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD). Os denunciados pertencem à facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA).

A outra operação aconteceu em Magé, também envolvendo o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), GAECO e Polícia Civil, e foi denominada de “Arca de Noé”, para cumprir mandados de prisão preventiva de 36 membros do Terceiro Comando Puro (TCP) denunciados por associação para ao tráfico de drogas e realizar 75 mandados de busca e apreensão. A ação foi realizada com aval da Vara Comercial da Comarca de Magé. Um dos mandados foi contra o líder do TCP, Leonardo Pinto Salvador, o Léo Tite.

Em São Paulo, o Gaeco, com apoio da Polícia Civil, cumpre 59 mandados de prisão e dez de busca e apreensão contra integrantes do PCC nas cidades de Americana, Arujá, Cerquilho, Guarulhos, Hortolândia, Jaboticabal, Limeira, Mogi das Cruzes, Piracicaba, Ribeirão Preto, Rio das Pedras e Santa Bárbara D’Oeste.

Em Alagoas, o Gaeco foi às ruas nas cidades de Maceió e São Miguel dos Milagres para cumprir catorze mandados de prisão e de busca e apreensão expedidos pela 14ª Vara Criminal da Capital. Todos os alvos têm ligação com o PCC e são acusados de crimes como homicídios e tráfico de drogas.

No Distrito Federal, a ação foi coordenada pelo Núcleo de Controle e Fiscalização do Sistema Prisional do Ministério Público do DF (Nupri), com apoio do Gaeco e Polícia Civil, com mandados de busca e apreensão e prisão contra integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC). As buscas também aconteceram em Goiás, na cidade de Santo Antônio do Descoberto. Foram apreendidos telefones celulares, anotações e cadastros ligados à facção criminosa.

No Espírito Santo foram treze mandados de prisão e vinte mandados de busca e apreensão domiciliar nas cidades de Vitória, Vila Velha e Cariacica, com participação de policiais militares e promotores do Gaeco.

No Paraná foram três mandados de busca e apreensão no interior da Penitenciária Estadual de Foz do Iguaçu II, após ordem expedida pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Chapecó, em Santa Catarina. o Gaeco de Chapecó e o Ministério Público de Santa Catarina também participaram da ação. No Estado de Santa Catarina foram 52 mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão nas cidades de Chapecó, Capinzal, Joinville, Florianópolis, São Pedro de Alcântara, Itajaí, Campo Erê e São Cristóvão do Sul.

No Tocantins, também foi realizada uma inspeção na Casa de Prisão Provisória de Palmas, com a finalidade de apreender armas, drogas, explosivos, aparelhos de comunicação móvel e cadastros de faccionados.