Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Médico é investigado por negar socorro a paciente com convênio

Advogada foi picada por uma cobra e não teria recebido soro na rede pública. Ela acabou morrendo de hemorragia

Por Da redação Atualizado em 10 nov 2016, 17h00 - Publicado em 10 nov 2016, 14h14

A Polícia Civil de Franca investiga a morte de uma advogada de 69 anos que foi picada por uma cobra e não teria recebido atendimento médico na rede pública por possuir plano de saúde particular. O caso foi registrado como omissão de socorro e o médico poderá responder por homicídio culposo (quando não há intenção de matar).

Segundo o juiz aposentado Nilton Messias de Almeida, sua mulher, a advogada Maria José Alves de Almeida, foi picada por uma jararaca na semana passada, quando seguia para uma capela no interior da fazenda da família, em Patrocínio Paulista (SP).

Almeida afirma que Maria José foi levada para a Santa Casa de Franca (SP), único local a contar com o soro antiofídico. Ele também levou a cobra morta, para que os médicos soubessem de qual espécie de tratava.

De acordo com o juiz aposentado, o médico da Santa Casa informou que não poderia atender a paciente porque ela tinha convênio particular. Diante da insistência, o hospital teria orientado que ela fosse levada ao Hospital do Coração, outra unidade pública, para onde mandariam o soro.

Maria José foi parar no pronto-socorro, voltou para a Santa Casa e, por fim, foi internada em um hospital particular, relata Almeida. O soro demorou três horas para chegar e não surtiu efeito. A paciente morreu no fim de semana.

Investigação

O delegado Luís Carlos da Silva registrou o caso como omissão de socorro, para apurar a responsabilidade do hospital e de outras pessoas, entre elas o médico. Nesta quinta-feira, Silva começou a ouvir os envolvidos. “O que aconteceu foi algo absurdo. Como ela poderia procurar outro hospital se apenas a Santa Casa tem o soro?”, questiona.

Em nota, a Santa Casa culpou Almeida, que, segundo a instituição, deveria ter procurado primeiro a Santa Casa de Patrocínio Paulista. Alegou, ainda, que em Franca ele foi “orientado a procurar o Hospital do Coração para que fosse ministrado o soro antiofídico em função de melhores condições operacionais naquele momento”.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)