Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Médica que atendeu ciclista protesta e cobra punição

Em desabafo no Facebook, médica diz que equipe estava pronta para tentar reimplantar o braço amputado e que espera punição dos responsáveis

A médica Rachel Batista, do Hospital das Clínicas, que atendeu David Santos de Souza, atropelado enquanto andava de bicicleta na avenida Paulista, chamou o motorista responsável pelo acidente de “monstro”. O desabafo foi feito por meio de sua da conta no Facebook. No texto, ela diz que a atitude do motorista Alex Siwek, que jogou o braço amputado do ciclista em um córrego após achá-lo no interior do seu carro, inviabilizou a chance da vítima de recuperar o membro.

“Quero manifestar a minha indignação quanto à atitude desse monstro que atropelou o ciclista na Avenida Paulista e que inviabilizou a chance desse menino de 21 anos de tentar recuperar o braço. A nossa equipe sente muito por essa desgraça. Estávamos prontos para tentar o reimplante. Infelizmente, a polícia e os bombeiros não conseguiram encontrar o braço no rio. O tempo para a tentativa já se foi e nos restou somente a opção de limpar e suturar a ferida”, escreveu a médica.

Atropelamento – O acidente ocorreu no domingo, por volta de 5h30. Segundo a polícia, testemunhas relataram que Siwek estava dirigindo em zigue-zague pela avenida e invadiu a faixa reservada para a ciclofaixa – que, apesar de ainda não estar em funcionamento, já contava com os cones dispostos -, atingindo o limpador de janelas David Souza, de 21 anos, que pedalava rumo ao trabalho. No choque, o braço do ciclista foi arrancado. Siwek, que havia acabado de sair de uma casa noturna na companhia de um amigo, fugiu do local sem prestar socorro. No caminho, ele jogou o braço de Souza no córrego do Ipiranga. Pouco depois, o motorista se apresentou à polícia. Em depoimento, o amigo do estudante disse que eles haviam consumido bebida alcoólica.

No desabafo publicado no Facebook, a médica também disse ser a favor da tolerância zero para o uso de álcool na direção e pediu a punição do responsável pelo acidente. “Tem de haver justiça nesse país”, disse.

Na noite desta segunda-feira, o texto não estava mais disponível na página da médica. A assessoria de imprensa do Hospital das Clínicas não foi localizada para comentar o caso. Na manhã de hoje, boletim do hospital informava que o estado de saúde do ciclista é considerado estável.

Siwek foi preso em flagrante e vai responder por quatro crimes: tentativa de homicídio simples, embriaguez ao volante, fuga do local do crime e por ter jogado o membro da vítima no rio. Na noite desta segunda ele permanecia preso no Centro de Detenção Provisória (CDP) Belém 2, na capital paulista.

Leia a íntegra do texto da médica no Facebook:

“Quero manifestar a minha indignação quanto a atitude desse monstro que atropelou o ciclista na avenida paulista e que inviabilizou a chance desse menino de 21 anos de tentar recuperar o braço. A nossa equipe: Dr Guilherme Barreiro, Dra Rachel Baptista, Dr. Kiril Kasai, Dr Daniel dos Anjos sente muito por essa desgraça. Estávamos prontos para tentar o reimplante e infelizmente a polícia juntamente com os bombeiros não conseguiram encontrar o braço no rio. O tempo de tentativa já se foi e nos restou somente a opção de limpar e suturar a ferida. O paciente está estável e foi terminada a cirurgia.

Sou totalmente a favor da Lei Seca e de tolerância zero. Não como ter brechas permitindo pessoas totalmente irresponsáveis dirigirem nessas condições. Tem que haver justiça nesse país.

Sinto muito, mas chegamos ao nosso limite. Sinto pela família e pelo paciente.

Espero que vocês divulguem e busquem mobilizar o governo para ter uma atitude incisiva na aplicação das leis e na punição dos responsáveis”.