Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Manifestantes ocupam Av. Rio Branco, no Centro do Rio

Ato contra o aumento das passagens de ônibus foi convocado pelo Facebook

Por Pâmela Oliveira, do Rio de Janeiro 13 jun 2013, 18h49

(Atualizado às 21h)

Centenas de manifestantes tomaram a Avenida Rio Branco, no Centro do Rio de Janeiro, contra o aumento das passagens de ônibus na cidade – que passaram de 2,75 para 2,95 reais no último dia 1º. O protesto, que começou por volta das 18 horas desta quinta-feira, foi convocado pelo Facebook, em um evento no qual mais de 13.000 pessoas confirmaram presença.

No Rio, protesto contra aumento das passagens de ônibus tomou a Avenida Rio Branco, no Centro
No Rio, protesto contra aumento das passagens de ônibus tomou a Avenida Rio Branco, no Centro VEJA

A Polícia Militar acompanhou com cerca de 80 homens a movimentação, que começou pacífica mas ficou tensa já quando começava a se dispersar, por volta das 20h30. A Tropa de Choque usou bombas de efeito moral. Os manifestantes atearam fogo no lixo que se acumulava nas calçadas e jogaram pedras em estabelecimentos comerciais. A confusão lembrou a última segunda-feira, quando mais de 30 pessoas foram detidas. Nesta quinta, ao menos uma pessoa foi presa e um jovem ficou ferido.

Leia mais:

Leia mais: PM do Rio põe Batalhão de Choque a postos

Continua após a publicidade

No Facebook, o movimento criou uma página chamada “Operação Pare o Aumento”. Com letras que imitam o logotipo da Operação Lei Seca, o perfil utiliza uma imagem do prefeito Eduardo Paes pintado como o vilão Coringa, eterno inimigo de Batman.

SP – Pelo mesmo motivo, São Paulo entra em seu quarto dia consecutivo de protestos. A Polícia Militar montou cordões de isolamento e efetua revistas. Diversas pessoas foram detidas no final da tarde desta quinta-feira para averiguação, alguns portando pedras e coquetel molotov. A preocupação dos policiais, que monitoram a área com câmeras e helicópteros, é evitar a presença de arruaceiros que usam o protesto como pretexto para depredar a cidade.

Leia também:

Leia também: PM revista e efetua detenções durante protesto

Continua após a publicidade

Publicidade