Clique e assine a partir de 9,90/mês

Manifestante que confundiu bandeira do Japão tenta se explicar

“A bandeira do Japão não é comunista”, concluiu Rosângela - insistindo que há, de fato, planos para mudar a bandeira do Brasil

Por Da redação - Atualizado em 18 nov 2016, 12h37 - Publicado em 18 nov 2016, 12h32

A manifestante Rosângela Muller, que gravou um vídeo afirmando que bandeira do Japão, estampada em um painel no Congresso ao lado da bandeira brasileira em comemoração ao centenário da imigração japonesa, se tratava de um “símbolo comunista”, agora admite o erro. Em outro vídeo postado no Facebook, Rosângela afirma o óbvio: “A bandeira do Japão não é comunista”.

Sem voz devido à manifestação, a mulher tenta explicar o engano, mas não abandona as teorias conspiratórias: “Estávamos tomados por um sentimento de que poderia estar havendo uma desconstrução da bandeira do Brasil. Eles (comunistas), de fato, têm projetos decisivos para mudar nossa bandeira”.

LEIA TAMBÉM:
Grupo pró-intervenção militar invade plenário da Câmara

A manifestante que pertence ao grupo que invadiu a Câmara dos Deputados na tarde desta quarta-feira pedindo intervenção militar ainda relembrou o episódio que aconteceu na Olimpíada. “Lembrando que o presidente do Comitê Olímpico Internacional já afirmou que a nossa bandeira era verde e vermelha”. Na ocasião, o presidente do Comitê Organizador da Rio-2016, Carlos Arthur Nuzman, se confundiu e disse que os brasileiros haviam pintado o Brasil de “vermelho e amarelo.”

Por fim, a mulher admite o erro. “Teve aí esse equivoco com a bandeira do Japão, que não é comunista”, afirmou no vídeo.

Continua após a publicidade
Publicidade