Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Manaus sofre onda de violência em retaliação à morte de traficante

Pelo menos 16 veículos foram incendiados e o serviço de transporte público municipal foi suspenso. Cidade também sofre com a maior cheia de sua história

Por Luisa Purchio Atualizado em 6 jun 2021, 16h04 - Publicado em 6 jun 2021, 16h01

Em ataques contra a morte de um traficante no sábado, 5, pelo menos duas viaturas e 14 ônibus foram incendiados na madrugada deste domingo em Manaus. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do estado do Amazonas (SSP-AM), a onda de vandalismo se estendeu para as cidades de Parintins e Careiro Castanho e há relatos de ocorrências em Iranduba e Manacapuru.

De acordo com a SSP-AM, a ordem aos ataques partiu de um presídio e não há informações sobre pessoas feridas ou retidas. Além dos ateamento de fogo aos veículos, uma agência bancária foi depredada, bem como um distrito de obras municipal em Manaus. O Corpo de Bombeiros identificou um transformador de energia elétrica e um estabelecimento comercial incendiados.

Desde às 6h45, a cidade de Manaus está sem transporte de ônibus e viaturas foram reforçadas nas ruas e prédios públicos para tentar conter os atos. “A violência das ações causou pânico nos operadores do serviço, pois há relatos de grupos encapuzados e armados praticando tais atos, sendo que, por isso, toda a frota foi recolhida”, informou em nota o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram).

Além da violência na cidade, Manaus sofre com a maior cheia desde 1902. O Rio Negro atingiu 30 metros no sábado, 3, o maior nível de sua história e três centímetros acima do último recorde, registrado em 2012. Mais de 24 mil famílias foram afetadas pelas inundações em mais de 15 bairros da capital.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade