Clique e assine a partir de 9,90/mês

Maluf não deixará hospital em Brasília nesta quinta-feira, diz advogado

Ministro Dias Toffoli concedeu liminar autorizando a transferência do deputado da Penitenciária da Papuda para prisão domiciliar

Por Da redação - 29 mar 2018, 11h22

O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse nesta quinta-feira que ainda não há previsão de quando será a transferência do deputado Paulo Maluf (PP-SP), de 86 anos, para a prisão domiciliar, em São Paulo.

“Hoje (quinta-feira) certamente ele não sairá. Não tem prevista ainda, mas certamente não será hoje”, disse Kakay. O advogado conversou mais cedo com Maluf, que estava sendo atendido por dois médicos na hora do telefonema.

O boletim médico divulgado às 11h desta quinta-feira pelo hospital Home, em Brasília, onde o parlamentar está internado desde quarta-feira, informa que Maluf continua em observação, “com diminuição da dor após o procedimento de infiltração teleguiada”. O parlamentar apresentou “leve desconforto respiratório e necessidade de uso de oxigênio suplementar” durante a madrugada, segundo texto. Maluf será submetido a novos exames de controle para “planejamento de possível alta hospitalar”.

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu na quarta-feira uma liminar autorizando a transferência de Maluf da ala de idosos do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, para a prisão domiciliar.

Continua após a publicidade

O parlamentar está preso desde o dia 20 de dezembro, condenado a 7 anos, 9 meses e 10 dias por lavagem de dinheiro.

Internação

Maluf foi levado da Papuda para o hospital Home depois de passar mal. O parlamentar foi submetido a um procedimento de infiltração de corticoide na coluna lombar para aliviar as dores causadas por uma hérnia de disco, que tem limitado sua mobilidade. Peritos do Instituto Médico Legal do Distrito Federal acompanharam o procedimento.

Quando o aval para deixar o hospital for dado pelos médicos que acompanham seu quadro de saúde, Maluf vai para São Paulo, onde cumprirá prisão domiciliar.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade