Clique e assine a partir de 9,90/mês

Mais um preso é encontrado morto em Pedrinhas, no MA

Detento apresentava sinais de estrangulamento. Complexo penitenciário já registrou seis mortes neste ano

Por Da Redação - 2 mar 2014, 14h35

O Complexo Penitenciário de Pedrinhas de São Luís, no Maranhão, registrou a morte de mais um detento. Segundo a Secretaria de Justiça e Administração Penitenciária (Sejap) do Estado, o corpo de Pedro Martins Viega, de 31 anos, foi encontrado neste sábado em uma cela do Centro de Detenção Provisória com sinais de estrangulamento. É a sexta morte registrada em Pedrinhas neste ano – em 2013, foram 59 assassinatos.

De acordo com a secretária, o preso integrava uma facção criminosa de São Luiz e havia sido preso por tráfico de drogas e formação de quadrilha. Uma autópsia poderá confirmar a hipótese de que a vítima foi enforcada.

Leia também:

Mais um detento é encontrado morto em presídio do MA

Continua após a publicidade

Horror nas cadeias pode destronar clã Sarney no MA

MA vai usar tornozeleira eletrônica para desafogar cadeia de Pedrinhas

Barbárie – No fim do ano passado, esquartejamentos e decapitações de detentos de Pedrinhas chocaram o país. As condições insalubres do presídio e brigas entre gangues rivais resultaram na morte de sessenta detentos.

A crise foi agravada quando a violência ultrapassou os muros do presídio e tomou as ruas da capital maranhense. Irritados com a presença da Polícia Militar no presídio, que passou a fazer a segurança do local, chefes de facções criminosas ordenaram de dentro de Pedrinhas uma onda de ataques a ônibus e delegacias na cidade. Uma menina de seis anos acabou morrendo após ter mais 90% do corpo queimado em uma dessas ofensivas.

Continua após a publicidade

Como uma forma de frear a onda de violência no Estado, alguns detentos foram transferidos de Pedrinhas para presídios federais. O objetivo era isolar os líderes das facções que atuavam no complexo penitenciário. A taxa de homicídios na Região Metropolitana de São Luís, no entanto, subiu 34% em janeiro

(Com EFE)

Publicidade