Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maia desiste de construir o ‘puxadinho’ idealizado por Cunha

Presidente da Câmara afirmou que "não cabe esse investimento" diante do momento de crise em que o Brasil se encontra. Obras custariam 1 bilhão de reais

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), desistiu de iniciar as obras de construção de um anexo da Casa, apelidado nos corredores de “puxadinho do Cunha”, em referência ao autor do projeto, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. Maia alegou que não é o momento de utilizar recursos públicos para a construção de um novo prédio e informou, nesta terça-feira, o primeiro-secretário da Mesa Diretora, Beto Mansur (PRB-SP), de que não levará o projeto adiante.

A construção do anexo aconteceria com a participação privada, mas não houve interesse de empresas e o projeto, apelidado de “Parlashopping” – que custaria 1 bilhão de reais aos cofres públicos – foi abandonado. A Mesa Diretora da Casa decidiu então gastar 320 milhões de reais do próprio bolso na obra que expandiria a antiga estrutura da Câmara, sem lojas, mas com novos gabinetes, auditório, restaurantes e estacionamento subterrâneo.

LEIA TAMBÉM:
‘Não haverá mudanças na Lei da Delação’, diz Rodrigo Maia
O DEM de volta ao poder

A Casa já havia desembolsado 50.000 reais para os primeiros trabalhos de escavação de solo. No entanto, Maia afirmou que a modernização do complexo poderá ser feita “quando o País estiver voltando a crescer economicamente” e reiterou que “no momento de crise, não cabe esse investimento.”

O presidente da Câmara revelou preocupação com a repercussão do gasto. “Neste momento, acho que a sinalização da construção de um anexo não vai cair bem aos ouvidos da sociedade”.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Antonio Braga

    E em que momento o dinheiro público pode ser gasto a não ser em benefício da cidadania e dos pagadores de impostos??

    Curtir

  2. Paulo Cruz Araújo

    Um absurdo a forma como o dinheiro público é tratado. Não vem com essa estória mole de que quer preservar o gasto. Tá apenas querendo se firmar e ganhar confiança. Já é citado tb na Lava à Jato, do DEM. Alguém espera algo honesto e sincero de verdade?

    Curtir