Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Magno Malta é acusado de usar trio elétrico fantasma

Senador declarou ter gasto 120 000 reais em carro de som; dono do mesmo nega ter prestado serviços

Por Da Redação Atualizado em 11 nov 2018, 11h17 - Publicado em 11 nov 2018, 11h08

Cotado para assumir algum ministério do novo governo de Jair Bolsonaro, Magno Malta é acusado de usar um trio elétrico fantasma durante a sua campanha para a reeleição ao Senado — ele não foi eleito, ficando em terceiro lugar, com 611 000 votos. Malta declarou ao TSE ter pago 120 000 reais para o uso do trio elétrico de placa MQA 6240.

O dono do caminhão de som, Cleomar Marcelo Santana, conhecido como Mazinho, nega ter prestado qualquer serviço à campanha de Malta, segundo matéria do jornal O Globo. Mazinho cobra, em média, 1 000 reais por dia de uso de seu trio elétrico. Por 120 000 reais, Malta poderia  ter rodado com o carro por 120 dias consecutivos — período muito maior do que o tempo de propaganda eleitoral.

Magno Malta declarou ter investido 2,8 milhões de reais em sua campanha fracassada ao Senado, valor superior aos dois senadores eleitos pelo Espírito Santo. Segundo os dados apresentados ao TSE, Fabiano Contarato gastou 228 000 reais e Marcos do Val, 131 000 reais.

Malta é uma espécie, digamos assim, de Romero Jucá. Onde há poder, lá está ele. Apoiou Lula nas duas eleições, em 2002 e 2006, e depois Dilma Rousseff, em 2010 e 2014. Sim: também esteve ao lado do governo de Michel Temer. Em 2006, no governo Lula, sua fidelidade foi recompensada com a concessão de uma rádio no Espírito Santo.

Outro lado
Procurado por VEJA, a assessoria de Malta diz que não se trata de um trio elétrico fantasma. “O foi alugado de uma empresa chamada Multishow, não houve nada de ilegal e ele foi usado em diversas cidades do norte do estado, como Linhares”, afirmou Renato Paoliello

Malta em carro de som cuja placa é a mesma apresentada ao TSE: nega irregularidades Reprodução/VEJA

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade