Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Laudo: músico foi atingido por 9 dos 83 tiros de militares no Rio

Relatório da necrópsia, divulgado pela TV Globo, aponta que tiros atingiram a vítima pelas costas; catador também morreu

O músico Evaldo Rosa dos Santos, que morreu no último dia 7 de abril, baleado por agentes do Exército quando seguia de carro para um chá de bebê, na zona oeste do Rio, foi atingido por 9 dos 83 tiros disparados pelos militares em sua direção. A informação foi divulgada pela TV Globo, que teve acesso ao laudo de necrópsia que faz parte do Inquérito Policial Militar.

Segundo a TV, o documento indica que todos os tiros atingiram o músico pelas costas. Dois tiros atingiram a cabeça de Santos e os outros sete ficaram alojados na região do tórax.

Nove militares estão presos por conta do crime, mas ainda não foram denunciados pelo Ministério Público Militar (MPM), que aguarda o resultado de exames a serem anexados à denúncia. Em manifestação durante o trâmite de um pedido de habeas corpus impetrado pelo advogado Paulo Henrique Pinto de Mello perante o Superior Tribunal Militar (STM), o subprocurador Carlos Frederico de Oliveira Pereira, em nome do procurador-geral de Justiça Militar, defendeu a concessão de liberdade provisória aos militares.

Segundo ele, os nove presos não descumpriram as regras de conduta, porque “tentavam salvar um civil da prática de um crime de roubo”. O pedido ainda não foi submetido a julgamento pelo STM, em Brasília, onde deve ser analisado até a próxima semana.

O episódio

Santos dirigia seu carro, um Ford Ka sedan branco, rumo a um chá de bebê, transportando também a mulher, um filho, o sogro e uma adolescente. Ao passar por uma patrulha do Exército na Estrada do Camboatá, o veículo foi alvejado com 80 disparos pelos militares. O motorista morreu no local. O sogro ficou ferido, mas sobreviveu. O catador Macedo, que passava a pé pelo local, também foi atingido e morreu dias depois.

Inicialmente, o CML emitiu nota dizendo que a ação tinha sido uma resposta a um assalto e sugeriu que os militares haviam sido alvo de uma “agressão” por parte dos ocupantes do carro.

A família contestou a versão e só então o Exército recuou e mandou prender 10 dos 12 militares envolvidos na ação. Um foi solto após alegar que não fez nenhum disparo.

Os militares teriam confundido o carro do músico com o de criminosos que, minutos antes, havia praticado um assalto perto dali. Esse crime foi flagrada por uma patrulha do Exército. Fora roubado um carro da mesma cor, mas de outra marca e modelo – um Honda City.

Foram presos o tenente Ítalo da Silva Nunes Romualdo, o sargento Fábio Henrique Souza Braz da Silva e soldados Gabriel Christian Honorato, Matheus Santanna Claudino, Marlon Conceição da Silva, João Lucas da Costa Gonçalo, Leonardo Oliveira de Souza, Gabriel da Silva de Barros Lins e Vítor Borges de Oliveira.

Todos atuam no 1º Batalhão de Infantaria Motorizado na Vila Militar, na zona oeste do Rio. Eles devem responder por dois homicídios e por tentativas de homicídio contra os quatro outros ocupantes do carro de Evaldo. A denúncia ainda não foi apresentada à Justiça pelo MPM.