Clique e assine com 88% de desconto

Kassab volta críticas a Russomanno, que lidera pesquisas

Prefeito da capital atacou o candidato do PRB pela 1ª vez na quarta. Antes, Kassab voltava sua artilharia contra Fernando Haddad, do PT

Por Da Redação - 6 set 2012, 09h31

O prefeito Gilberto Kassab (PSD) atacou nesta quarta-feira, pela primeira vez, a candidatura de Celso Russomanno (PRB) na eleição municipal. Kassab aproveitou um evento oficial na sede da Guarda Civil Metropolitana (GCM) para criticar propostas para a área de segurança feitas por Russomanno – que lidera as pesquisas de intenção de voto e abriu vantagem sobre José Serra (PSDB), aliado do prefeito.

“Não quero aqui fulanizar, mas ele diz que quer aproveitar os 300.000 vigias noturnos para trabalhar em conjunto com agentes públicos. Ele está querendo criar uma milícia. Isso é um perigo para a cidade”, afirmou.

Kassab se referia a uma proposta apresentada por Russomanno em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo no dia 29 de agosto. O próprio Serra, dias depois, havia dito que o projeto “não tem pé nem cabeça”.

O prefeito passa a cumprir o papel de apontar defeitos e criticar publicamente as propostas de Russomanno. Seu objetivo é insinuar que o candidato do PRB não tem conhecimento suficiente para desenvolver projetos para a cidade de São Paulo, em contraste com Serra, que já administrou o município e o estado.

Publicidade

Na semana passada, o prefeito já havia convocado uma entrevista coletiva para defender sua gestão e criticar o candidato do PT, Fernando Haddad, até então considerado o principal adversário de Serra na disputa.

Na quarta, com Russomanno no alvo, Kassab classificou como “uma loucura” a proposta do candidato do PRB de aumentar o efetivo da GCM. “Ele vai elevar de 6.000 pra 20.000 homens. Isso significa 1 bilhão de reais por ano. Nem a Guarda vai acreditar, muito menos a cidade.”

O prefeito chegou ao local com anotações sobre as propostas de Russomanno. Para Kassab, o candidato do PRB está “sendo mal orientado” e, por isso, faz promessas “difíceis” de serem cumpridas.

(Com Agência Estado)

Publicidade