Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Kassab usa CEUs para atacar Marta

Por Irene Ruberti 25 ago 2008, 14h28

O prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Gilberto Kassab (DEM), atacou a petista Marta Suplicy (PT), nesta segunda-feira, em seu horário eleitoral gratuito no rádio. A crítica foi feita quando o locutor da propaganda de Kassab dizia que o prefeito pretende continuar construindo os CEUs (Centros Educacionais Unificados), projeto criado na gestão de Marta.

“Começou com a Marta, mas Kassab fez mais, melhor e gastando menos. O CEU era mais caro. É como um carro elétrico: a idéia foi boa, mas cara demais para se pagar”, disse o locutor do programa do prefeito de São Paulo. “Você pega muito no pé da Marta”, completou um dos personagens do programa do democrata.

Marta Suplicy (PT), por sua vez, aproveitou seu horário para falar sobre saúde e mostrar os projetos realizados por ela durante seu mandato de prefeita. Marta apresentou também projetos para a zona norte de São Paulo e mais uma vez deixou claro o apoio que tem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Com a forte parceria do presidente Lula, vamos colocar em prática muitos projetos que temos para essa região da cidade”, disse a ex-ministra do Turismo.

O PT encerrou os programas da televisão e do rádio mostrando os resultados da pesquisa de intenção de voto do Instituto Datafolha.

Segundo a pesquisa, divulgada no último sábado, Marta Suplicy ampliou a liderança, abrindo 17 pontos sobre Geraldo Alckmin (PSDB). A ex-ministra tem 41% das intenções, contra 24% do tucano. Em terceiro lugar está o atual prefeito, Gilberto Kassab, com 14% das intenções de voto. Kassab e Paulo Maluf (PP) estão tecnicamente empatados, já que o deputado federal tem 9% e a margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Continua após a publicidade

Kassab também aproveitou seu programa eleitoral na televisão para mostrar a pesquisa Datafolha. Em seu espaço, o prefeito de São Paulo lembrou que na pesquisa anterior, realizada nos dias 23 e 24 de julho, Alckmin tinha 32% e ele 11%. Ou seja, o ex-governador caiu 8 pontos e Kassab subiu 3%.

Geraldo Alckmin usou seu programa no rádio para falar de saúde. Já na televisão, mostrou uma edição do programa gravado na última sexta-feira, quando ele apresentou seu plano de governo. Na ocasião, Alckmin afirmou que formará uma parceria com o governador José Serra tão entrosada quanto a de “Coutinho e Pelé”, dupla de atacantes do Santos dos anos 1960.

Alckmin disse também que, caso eleito, não terá problemas com o presidente Lula, pois ele “não é presidente do PT. É presidente do Brasil”. Durante seu discurso, Alckmin afirmou ainda que não pretende fazer ataques a nenhum concorrente. “Isso não é vale tudo”.

No programa do PCO, Anaí Caproni disse mais uma vez que vai lutar pelos processos eleitorais viciados. “Esses políticos, depois que ganham, atacam a população defendendo banqueiros. As eleições são totalmente manipuladas pelo poder socioeconômico”, disse a candidata.

Renato Reichmann (PMN) apresentou um projeto para o setor da saúde. Ciro Moura (PTC) e Soninha Francine (PPS) discursaram sobre o sonho da casa própria. Levy Fidelix (PRTB) mostrou mais uma vez seu projeto Aero-trem. Paulo Maluf (PP) falou sobre as obras que fez quando prefeito de São Paulo. Ivan Valente (PSOL) usou seus poucos segundos para falar que não vai aceitar doações para campanha de banco e empreiteiras. E Edmilson Costa (PCB) falou que não faz parte da política tradicional. “Sou um candidato diferente”, disse o candidato.

Continua após a publicidade
Publicidade