Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Kassab culpa excesso de chuva: “Cidade dá o máximo”

Segundo prefeito, nunca se investiu tanto na prevenção de enchentes

Por Carolina Freitas 11 jan 2011, 13h04

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, usou o excesso de chuva como justificativa para as enchentes na cidade, após o temporal de segunda-feira à noite. Nos últimos onze dias, choveu 93% do previsto para todo o mês de janeiro. “Tivemos vários pontos de alagamento que infelizmente aconteceram devido a intensidade das chuvas desde ontem à noite”, disse. “A cidade de São Paulo tem dado o máximo de si em relação a profissionais envolvidos e recursos investidos.”

Na avaliação de Kassab, os reservatórios de água da chuva, conhecidos como piscinões, funcionaram bem e impediram estragos ainda maiores. “Os piscinões corresponderam à expectativa em relação a sua capacidade. Todos eles estavam preparados.” Apesar de regiões como a Ceagesp, na zona oeste, continuarem alagadas na manhã desta terça por conta do entupimento de bueiros, o prefeito garantiu que “todos” os bueiros da cidade vem sendo limpos “rotineiramente”.

Investimentos – Kassab evitou comentar a situação do Rio Tietê, que chegou a ficar quatro anos sem transbordar, mas cujo entorno voltou a ficar alagado em setembro de 2009 – depois de obra do governo do estado para construção de uma terceira pista para veículos às margens do rio. Ele falou apenas, e brevemente, sobre a importância dos trabalhos de desassoreamento do Tietê, tocados pela administração estadual.

O prefeito fez questão de lembrar investimentos da Prefeitura no combate a enchentes e disse que onde foram feitas obras o problema está sob controle. “Os investimentos que acontecem hoje na cidade são inquestionavelmente superiores a qualquer investimento que foi realizado em qualquer ano na história de São Paulo.”

Como exemplos, Kassab citou o Jardim Romano e a Bacia do Pirajussara – que já estiveram em situação crítica mas, este ano, ainda não alagaram. O prefeito lembrou ainda que a região do córrego Aricanduva, que transbordou na semana passada, ainda passará por obras para construção de dois reservatórios e para a elevação de uma ponte, para atenuar os efeitos da chuva na zona leste.

Continua após a publicidade

Publicidade