Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça da Bahia suspende bloqueio de verbas para universidades federais

O ministro da Educação Abraham Weintraub determinou em maio o contingenciamento de 30% do orçamento de gastos discricionários de instituições

A juíza Renata Almeida de Moura Isaac, da 7ª Vara Federal Cível e Agrária da Bahia, determinou nesta sexta 7 a suspensão dos bloqueios realizados pelo Ministério da Educação (MEC) sobre verbas para universidades federais. A magistrada deu um prazo de 24 horas para que a decisão seja cumprida sob pena de multa no valor de 100.000 reais por dia.

A decisão foi feita com base em oito ações impetradas contra a União, o Ministério da Educação, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Abraham Weintraub, que foram ajuizadas por vários autores, entre eles, o Diretório Central dos Estudantes da Universidade de Brasília (UnB) e a Defensoria Pública da União.

“Concluo que o contingenciamento de verbas das instituições de ensino federais, sobretudo quando praticada em considerável percentual, não pode prescindir de prévio estudo técnico e minucioso, inclusive com a participação dos representantes destas instituições, para fins de se garantir que o bloqueio incidente sobre as verbas discricionárias não interferirá na continuidade das atividades acadêmicas”, afirmou a juíza no processo. O MEC e a Advocacia Geral da União (AGU) informam que ainda não foram notificados.

Veja também

Em maio, Weintraub anunciou o bloqueio de 30% nas chamadas despesas discricionárias previstas no orçamento de universidades e institutos federais. O ministério da Educação informou que o contingenciamento incide sobre os 13,8% de despesas destinadas a custeio, previstas no orçamento das universidades federais em 2019, que é da ordem de 49,6 bilhões de reais. Sendo assim, conforme o MEC, o bloqueio atinge 3,4% do orçamento total das instituições. Não são contingenciadas despesas com pessoal (salários e benefícios), que são 85,34% do orçamento das universidades federais neste ano, assim como os 0,83% de recursos para cumprimento de emendas parlamentares impositivas.

Ainda em maio, duas manifestações foram realizadas contra a decisão do MEC. A maior delas, aconteceu no dia 15 e contou com atos nos 26 estados e no Distrito Federal, em diferentes proporções. Segundo a União Nacional dos Estudantes (UNE), que convocou os atos, 1,5 milhão de pessoas foram aos protestos.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Carlos Zambon

    Ainda bem que nem todos os Juizes deste País foram contaminados pelo CONJE, “vulgo Moro.”

    Curtir

  2. Jose Roberto de Lima Machado

    Qual o problema com o meu comentário?…tem que concordar?

    Curtir

  3. Pedro Morais

    Toda essa ladainha só será resolvida da seguinte forma: Reforma da Previdência e Privatizações… Basta de 408 estatais e 72 impostos em cascata… O resto é papo furado da esquerda…

    Curtir