Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Justiça autoriza regime semiaberto a Salvatore Cacciola

Tribunal do RJ concede progressão de pena ao ex-banqueiro, preso desde 2008

Por Da Redação
28 jan 2011, 03h25

A Justiça do Rio de Janeiro concedeu na noite desta quinta-feira a progressão de pena para o regime semiaberto do ex-banqueiro Salvatore Cacciola. Preso em Bangu desde 2008, Cacciola cumpre pena de 13 anos por gestão fraudulenta e desvio de dinheiro público.

A juíza Roberta Barrouin Carvalho de Souza, titular da Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça, decidiu que a quitação da dívida pública do ex-banqueiro, avaliada em 3 bilhões de reais, não poderia ser um obstáculo à progressão de sua pena. Em outubro do ano passado, a desembargadora Maria Helena Salcedo Magalhães havia suspendido a progressão do regime e negado o benefício a Cacciola, atendendo a pedido do Ministério Público. Na época, o promotor que analisou o pedido, Fabiano Rangel Moreira, disse que o comportamento de Cacciola na prisão demonstra que ele não possui “disciplina e responsabilidade” para passar ao semiaberto.

Pulseira eletrônica – A efetiva liberação de Cacciola para passar o dia fora da cadeia, bem como para trabalhar e estudar, ainda depende de questões burocráticas. Seus advogados devem protocolar os pedidos na Justiça, que os avaliará. A respeito de uma possível nova fuga do ex-banqueiro para outro país, como já fizera em 2000 ao viajar para a Itália, a Justiça do Rio de Janeiro aposta na pulseira eletrônica, dispositivo usado pelos presos em regime semiaberto e que emite um alarme caso haja tentativa de rompimento ou evasão do preso para áreas não autorizadas.

Histórico – Cacciola foi condenado a 13 anos de prisão sob a acusação de ter cometido crime de gestão fraudulenta de instituição financeira enquanto dono do Banco Marka. De acordo com o processo, ele teria coordenado uma operação de socorro irregular do Banco Central que teria causado um prejuízo de R$1,5 bilhão aos cofres públicos.

Preso preventivamente em 2000, Cacciola se beneficiou de um habeas corpus para ir para a Itália, onde tem cidadania, e não mais voltou, mesmo tendo a prisão decretada novamente. Foi preso pela Interpol em Mônaco e afinal extraditado para o Brasil.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.