Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Jornalista argentino que cobria Copa morre durante perseguição policial

Táxi em que estava Jorge López foi atingido por veículo roubado dirigido por bandidos que fugiam da polícia. Olé diz em site: 'Choramos todos'

Por Da Redação 9 jul 2014, 10h45

Morreu na madrugada desta quarta-feira em Guarulhos, na Grande São Paulo, o jornalista argentino Jorge López, de 38 anos, que estava no Brasil para fazer a cobertura da Copa do Mundo pela rádio argentina La Red e pelo jornal Olé. O táxi em que López estava foi atingido por um veículo roubado dirigido por bandidos em fuga. Ele bateu a cabeça e foi arremessado para fora do carro, morrendo na hora. O taxista foi levado para o hospital com uma fratura na clavícula.

Em seu site, o Olé divulgou nota sobre a morte do jornalista com o título “Choramos Todos”. O diário, que se refere a López pelo apelido, Topo, informa que o acidente ocorreu por volta da 1h30 desta quarta, no cruzamento da Avenida Tiradentes com a Barão de Mauá. “Sua voz ainda ressoa, uma vez que há apenas algumas horas ele entrevistava Alejandro Sabella [técnico da seleção argentina] em uma coletiva de imprensa. O jornal Olé e o jornalismo inteiro estão de luto”, afirmou a nota.

Segundo informou à Globo o delegado Paulo Roberto Poli, dois bandidos que estavam no veículo perseguido por policiais militares foram capturados, entre eles um adolescente de 16 anos. Os criminosos estavam com duas armas. De acordo com a Polícia Civil, pelo menos quatro criminosos fugiam da polícia no momento do acidente – um deles teria conseguido fugir. O caso vai ser investigado pelo 1° Distrito Policial (DP) de Guarulhos (Centro).

Ainda segundo a polícia, os bandidos roubaram o veículo na Penha, bairro da Zona Leste de São Paulo próximo a Guarulhos. Ao perceberem que o carro era roubado, PMs deram início à perseguição, que terminou quando os ladrões bateram contra o táxi que transportava o argentino. López voltava para o hotel onde estava hospedado desde o início do Mundial, no centro de Guarulhos.

Segundo o Olé, Topo López mantinha uma “grande relação” com o jogador argentino Lionel Messi – a quem teria conhecido e estreitado o vínculo nos anos em que trabalhou em Barcelona, na Espanha. “Topo enriquecia as páginas do Olé com suas notáveis entrevistas de Leo (Messi), que confiava e se sentia cômodo toda vez que o jornalista ligava o gravador.” A Radio La Red publicou em seu Twitter uma mensagem de apoio à família do jornalista. “Nos comunicamos com Verónica, mulher de ‘Topo’ López, para expressar nossas condolências e nos colocarmos à sua inteira disposição”, disse a publicação.

Esse foi o segundo caso de acidente fatal envolvendo jornalistas argentinos que cobriam a Copa do Mundo. Há uma semana, no dia 2 de julho, a jornalista María Soledad Fernandez, de 26 anos, morreu em um acidente na Rodovia Fernão Dias (BR-381), no município de Oliveira, em Minas Gerais.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade