Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Jornada da Juventude vai barrar excesso de fiéis em missa do papa no Rio

Espaço reservado para a missa de encerramento do evento comporta 1,5 milhão de católicos. Acessos ao bairro de Guaratiba serão fechados para evitar superlotação

A organização da Jornada Mundial da Juventude, que acontecerá em julho deste ano no Rio, trabalha com a possibilidade de aumento no número de fiéis para assistir à missa de encerramento celebrada pelo novo papa. A estrutura programada, no entanto, não será alterada. O local para abrigar a vigília e a missa final permanece sendo dois terrenos em Guaratiba, na Zona Oeste da cidade, de 3,5 milhões de metros quadrados – ou 2,4 milhões de metros quadrados de espaço para o público estimado em 1,5 milhão. E não há possibilidade de aumentar a metragem, mesmo com tudo apontando para a chegada de mais católicos interessados em ver o novo líder da Igreja Católica em sua provável primeira viagem ao exterior.

A alternativa da Dream Factory, contratada pela JMJ para organizar o evento, será vetar a entrada de mais fiéis nos acessos à Guaratiba. Quando o número de pessoas chegar a 1,5 milhão, serão fechadas as possibilidades de se chegar ao bairro pelo Recreio, Campo Grande ou Santa Cruz. Se, realmente, os terrenos em Guaratiba não tiverem como dar vazão à quantidade de católicos, a Dream Factory estuda transmitir a missa através de telões instalados na praia de Copacabana, onde, dois dias antes do encerramento da Jornada, o papa terá feito um breve pronunciamento.

Nesta terça-feira, o arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta deu uma benção para marcar o início das obras nos dois terrenos, que a Igreja tem chamado de Campus Fidei. Uma pequena estrutura foi montada onde, depois, será erguido o palco transformado em altar para o papa. Segundo Jomar Junior, diretor da Dream Factory, o palco terá dimensões muito maiores do que o montado no reveillón da raia de Copacabana. Ali, deverá haver espaço para 1.500 bispos e mais 300 pessoas.

O espaço é um descampado a perder de vista. O chão é terra e mato. Na segunda-feira, chegaram os tratores e os operários encarregados de terraplanar o terreno. O solo será todo de terra. “O nosso objetivo é não criar bolsões de piscina em caso de chuva”, explicou Junior. Jovens de diversos lugares do mundo passarão a noite de sábado, dia 27 de julho, no terreno de Guaratiba para a vigília e ali ficarão até o dia seguinte, no encerramento da jornada.

O lugar é duas vezes e meia maior do que o de Madri, a última cidade a receber a JMJ. O espaço será dividido em lotes, com infraestrutura para 30.000 a 50.000 pessoas. Em cada lote haverá uma ou duas ‘ilhas’, que são espaços com praça de alimentação, banheiros, postos médicos e telões. A obra terminará no fim de junho e no inicio de julho serão feitos os últimos testes para a jornada, que começará dia 23. Nos dois terrenos, circularão, além do 1,5 milhão de fieis, mais 100.000 pessoas, entre voluntários e funcionários.

O novo papa chegará a Guaratiba de helicóptero e circulará pelo terreno de papamóvel. “Essa será uma jornada de dois papas”, disse Dom Orani. O arcebispo do Rio fará uma missa, dia 22 de fevereiro, de agradecimento a Bento XVI, que foi quem escolheu o Rio como sede para a JMJ. “Irei agradecer a Deus pelo trabalho do papa Bento XVI”, disse. No dia 27, dom Orani irá a Roma acompanhado de dois outros padres envolvidos na organização da jornada do Rio. Na ocasião, será a última audiência do papa atual. “Depois também celebraremos uma missa antes da eleição do novo Santo Padre e, em seguida, quando eleito, mais outra missa”, afirmou.

LEIA TAMBÉM:

Brasil receberá 400 mil católicos para trabalho voluntário

Igreja manifesta a candidatos do Rio preocupação com o crack

População católica encolhe no Brasil. Evangélicos avançam

Católicos deixarão de ser maioria no Brasil em 2030, prevê especialista

banner JMJ Rio 2013 banner JMJ Rio 2013

banner JMJ Rio 2013 (/)