Clique e assine com até 92% de desconto

João Dória será o candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo

Empresário disputou sozinho o segundo turno das prévias tucanas, neste domingo, e recebeu 3.152 votos de um total de 3.266

Por Da Redação 21 mar 2016, 09h08

O empresário João Doria foi definido como o pré-candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, no segundo turno das prévias tucanas, realizado neste domingo. Doria disputou sozinho as eleições do partido e recebeu 3.152 votos de um total de 3.266 – no primeiro turno, 6.300 militantes tinham ido às urnas. “Democracia se faz no voto”, disse o empresário em discurso, após a apuração das prévias.

Em sua fala, Doria fez uma saudação ao ex-governador Mário Covas e colou um adesivo com seu nome no peito de Covas Neto. “Em julho, na sua convenção, o PSDB apenas homologará a decisão”, disse o presidente municipal do partido, Mário Covas Neto. Só depois da homologação, ele poderá ser considerado oficialmente candidato do partido.

Doria exaltou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e os senadores Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) e José Serra (PSDB-SP). O deputado Bruno Covas também participou da celebração. “Essa será uma eleição nacional. O Lula já disse que vem aqui defender seu afilhado Fernando Haddad. O povo paulista jamais será petista”, declarou Doria.

Aliados de Andrea Matarazzo, que decidiu deixar o partido na última sexta-feira, dizem que a votação não atingiu a participação de 20% dos 27.000 filiados. “A rigor, seriam necessários 5.400 votos para validar prévia”, diz Fábio Godoy, aliado do vereador. Um dos coordenadores da campanha de Doria, Julio Semeghini rebateu os aliados de Matarazzo. “O outro lado sempre quer criar problemas. Não há quórum mínimo para prévias, mas para a convenção”, diz. Já o presidente do PSDB paulistano, Mário Covas Neto, afirmou que o quórum mínimo de 20% se refere à votação do candidato em relação ao total de votos contabilizados.

Tucanocídio – O vereador Andrea Matarazzo, que havia ficado em segundo lugar no primeiro turno das prévias do PSDB, decidiu se desfiliar do partido depois que o diretório estadual do PSDB reverteu o adiamento do segundo turno das prévias. O pedido de adiamento tinha sido feito por Matarazzo, que acusava João Doria de compra de votos e abuso do poder econômico no primeiro turno. Assim, Matarazzo deixou aberta a possibilidade de se filiar ao PSD, partido que é comandado pelo seu amigo e aliado Gilberto Kassab, ministro das Cidades. No primeiro turno das prévias do partido, Doria obteve 43,13% dos votos, contra 32,89% de Matarazzo.

O deputado federal Ricardo Trípoli, que tinha ficado em terceiro lugar no primeiro turno das prévias, não demonstrou interesse em participar da disputa, segundo nota divulgada pelo partido. “Dessa forma, no domingo, dia 20, as urnas terão três possibilidades de voto: João Dória, branco e nulo”, diz a nota, assinada pelo vereador Mario Covas Neto, presidente do diretório.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade