Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Jaques Wagner critica nota do PT por entrevista de Rui Costa a VEJA

Para senador petista, resposta do partido às declarações de seu sucessor no executivo baiano 'é totalmente descabida'

O senador Jaques Wagner (PT) criticou a nota que o Partido dos Trabalhadores divulgou contra o governador Rui Costa, da Bahia, pelas declarações que ele deu em uma entrevista a VEJA. O chefe do Executivo baiano criticou a estratégia adotada pela legenda na eleição de 2018, colocou-se como pré-candidato à Presidência nas eleições de 2022, conclamou uma aliança esquerdista para pensar um projeto de país em oposição ao governo de Jair Bolsonaro e disse que o partido não deve impor a bandeira “Lula livre” nas discussões de alianças com outras legendas.

“A nota é totalmente descabida. Eu nunca vi a Executiva de um partido fazer uma nota daquele tamanho para repreender ou atacar um governador. Aliás, o governador do maior estado governado pelo PT e o governador mais bem avaliado do PT num território em que, modéstia a parte, fomos nós que mais demos votos para Dilma e Haddad”, disse, em entrevista nesta terça-feira, 17, à rádio Metrópole, de Salvador.

Na entrevista a VEJA, Rui afirmou que o partido deveria ter apoiado Ciro Gomes. “Essa não é uma opinião que dou com a partida já encerrada. Eu e o ex-governador Jaques Wagner defendemos naquele momento a ideia de que o PT deveria ter um candidato de fora do partido caso houvesse o impedimento do ex-presidente Lula. Nenhuma outra liderança teria condições de superar o antipetismo ou disputar a Presidência em pé de igualdade naquele cenário. A reflexão também tem de ser anterior. Faltou perceber que era preciso dialogar com todos os segmentos sociais, mesmo com aqueles que pensam diferente”, disse o governador.

Em sua nota, o PT afirmou que o eventual apoio a Ciro “se à época já não se justificava porque nunca foi intenção dele constituir uma alternativa no campo da centro-esquerda, hoje menos ainda, dado que ele escancara opiniões grosseiras e desrespeitosas sobre Lula, o PT e nossas lideranças”. Para o senador, o assunto está superado: “Eu na época defendi que não precisava ser do PT. Mas o amigo lá vive xingando o Lula, dizendo que ele é ladrão. Então eu não vou ficar falando de quem me maltrata”, afirmou Wagner. “Temos mais do que nos preocupar do que a Executiva ficar fazendo nota. A gente tem tanto problema no Brasil que é bom gastar nossa energia com outras brigas”, acrescentou.

A entrevista já havia provocado reações de parlamentares petistas. A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou que a liberdade de Lula interessa não só ao PT, mas a toda a esquerda. O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), líder do partido na Câmara, foi além e disse que, se o ex-presidente conseguir anular a sua condenação na Operação Lava Jato, será o candidato petista à Presidência da República em 2022. “Querer colocar Rui no papel de abandono a Lula é negócio de maluco. A gente fez a campanha de Haddad carregando Lula Livre o tempo todo no peito”, disse Wagner.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    A última frase quem deve ter dito foi o Paulo Pimenta, não Wagner.

    Curtir