Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em evento, irmão de reitor que se suicidou fala sobre acusações levianas

Segunda edição do Amarelas ao Vivo terá dez entrevistas sobre impacto das redes sociais e das notícias falsas na política e nos negócios

Acioli Cancellier de Olivo será um dos dez entrevistados por jornalistas de VEJA na segunda edição do fórum Amarelas Ao Vivo. Ele é irmão do ex-reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Luiz Carlos Cancellier de Olivo, que se suicidou em outubro de 2017, após ser preso e levianamente acusado de integrar um “esquema criminoso” na universidade. O tema desta edição do evento é “Como as fake news e as redes sociais afetarão as eleições, o Brasil e você”.

Olivo falará ao colunista de VEJA Augusto Nunes a respeito do impacto de acusações infundadas, como a que vitimou seu irmão, e sobre a morte de Cancellier.

A nova edição do evento, uma versão de palco das tradicionais Páginas Amarelas de VEJA, acontece nesta terça, 24, no Teatro Santander, em São Paulo.

Programação

Além da entrevista de Acioli Cancellier de Olivo, o evento Amarelas ao Vivo abordará diferentes aspectos das notícias falsas e do impacto de redes sociais.

Luiz Fux, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), falará ao redator-chefe Policarpo Junior sobre os desafios jurídicos no combate às mentiras nas eleições deste ano.

André Petry, diretor de redação de VEJA, entrevistará o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, um dos alvos preferenciais de notícias falsas na internet brasileira.

Jaime Durán Barba, consultor político e professor da George Washington University, será entrevistado por Thaís Oyama, redatora-chefe de VEJA, sobre a estratégia digital na vitoriosa campanha do presidente da Argentina, Mauricio Macri, em 2015.

O colunista Ricardo Noblat conduzirá a entrevista em que o CEO e estrategista político Guillaume Liegey falará sobre como o presidente da França, Emmanuel Macron, venceu as fake news em sua campanha, em 2017.

Bia Granja, cofundadora do YOUPIX, conversa com o editor especial Daniel Bergamasco sobre como nascem e se espalham virais na internet brasileira.

O redator-chefe Fábio Altman entrevista o jornalista Ricardo Boechat sobre a relevância do jornalismo profissional em tempos de profusão de boatos e notícias mentirosas.

O publicitário e fundador do Grupo ABC, Nizan Guanaes, estará frente a frente com Mauricio Lima, redator-chefe e titular da coluna Radar, em conversa sobre como proteger marcas e negócios diante do poder fulminante das redes sociais e das notícias falsas que veiculam.

A editora Adriana Dias Lopes conversará com o infectologista David Uip sobre as perigosas e cada vez mais frequentes notícias falsas sobre saúde.

A colunista Dora Kramer conduzirá entrevista com Pablo Ortellado, professor de Gestão de Políticas Públicas da USP, que tratará de como as redes sociais vão impactar as urnas nas eleições de outubro de 2018.

Primeira edição

Diante de um teatro lotado, dez nomes decisivos do país encontraram dez jornalistas de VEJA na primeira edição do Amarelas ao Vivo, em novembro do ano passado.

Assista aqui aos vídeos com as entrevistas.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. João Batista Berto

    Como assim levianas? Quem se suicida por causa de algo assim. Se nada havia com que se envergonhar, por que tal conduta? Qualquer pessoa mentalmente sã lutaria até o fim para provar sua inocência. Este país é muito engraçado mesmo. Todos viram santos quando morrem e tem até quem quem se ajoelhe e reze para um Messias bandido enjaulado.

    Curtir

  2. Também não entendi. A akusação tem fundamento ou não, e há agentes públicos com obrigação funcional de akusar quando encontram fundamento. “Leviana” ou não, fica a gosto do freguês.

    Curtir

  3. Paulo Bandarra

    Não faz sentido um inocente se suicidar sendo inocente.

    Curtir

  4. José Antonio da Silva

    Tudo muito bonito, politicamente correto, só tem um problema, eles na grande maioria é que são fakenews.

    Curtir