Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Interdições de rodovias de SP por deslizamento aumentam 80% este ano

Departamento de estradas do estado atribui ocorrências ao aumento do índice de chuvas na Serra do Mar, que concentrou os casos

Por Estadão Conteúdo 23 abr 2018, 08h57

Motoristas que trafegam por rodovias no estado de São Paulo se depararam, de janeiro até a última sexta-feira, com 27 interdições totais das vias causadas por deslizamentos e queda de barreiras. O número é 80% maior do que o observado no mesmo período do ano passado, quando houve quinze bloqueios totais, segundo dados do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), da Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp) e de concessionárias.

A Mogi-Bertioga (SP-98), que liga a Região Metropolitana de São Paulo ao litoral norte, é a recordista, com oito interdições totais. A via continua fechada em decorrência do último deslizamento, há uma semana. O Ministério Público de São Paulo abriu inquérito civil para apurar a sequência de bloqueios.

No total, neste ano, dezenove rodovias tiveram o tráfego interrompido em decorrência de causas naturais, sendo dez administradas pelo DER, seis concedidas pelo estado e uma federal (mais informações nesta pág.). No ano passado haviam sido 16.

Entre as rodovias atingidas pelos bloqueios estão algumas das mais importantes do estado, como a Dr. Manoel Hyppólito Rego (SP-55), a Rio-Santos, interditada três vezes; a Anchieta, principal acesso à Baixada Santista, duas vezes; e a Régis Bittencourt (BR-116), que liga São Paulo a Curitiba, também duas vezes. Em geral, as rodovias mais afetadas são as que levam ao litoral, que transpõem trechos de serra, cobertos de mata, mais sujeitos à instabilidade do solo.

Em 7 de janeiro, um deslizamento de rochas bloqueou a Rodovia Régis Bittencourt (BR-116), no km 402,8, em Miracatu, obrigando o caminhoneiro catarinense Vidal Deola, de 56 anos, a esperar durante quatro horas. “A pista estava interditada para a explosão das pedras que bloqueavam o asfalto. Peguei uma fila enorme”, lembra. Deola seguia de Curitibanos (SC) para São Paulo e conta que havia outros escorregamentos menores no trecho paulista da Régis. “Tinha chovido bastante e a estrada tem muitas encostas.”

Para o diretor de serviço técnico do DER, Deni Loretti Filho, o aumento no número de interdições tem a ver com o índice maior de chuvas, este ano, na região da Serra do Mar, onde aconteceu a maioria dos casos. “Dados da Defesa Civil de Bertioga indicam que, entre janeiro e março, foi registrado índice pluviométrico superior a 600 milímetros, mais que o dobro do aguardado”, disse.

Segundo ele, o solo da região da Serra do Mar é formado por taludes altos, com pedras fragmentadas que permanecem nas encostas protegidas por vegetação e terra. O peso das rochas faz com que elas deslizem quando o solo está muito molhado. “O excesso de chuvas também fez surgirem nascentes, tornando o solo ainda mais instável”, afirma.

Continua após a publicidade

Na Anchieta, a Artesp também credita os bloqueios à influência do fator climático. Em 48 horas foram registrados 222 mm de chuvas no trecho de serra e 380 mm na Baixada Santista, volume maior do que se esperava para todo o mês de abril.

Prevenção

Para a presidente da Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Construção Civil (Abratec), a engenheira civil Paula Baillot, embora as encostas da Serra do Mar sejam uma região crítica para rodovias, os deslizamentos podem ser evitados. “Esses escorregamentos têm causas naturais, ligadas às chuvas e à declividade das encostas, e também causas não naturais, como efeitos da poluição e desmatamentos. Nesses casos, uma forma de evitar essas quedas de barreira seria o mapeamento geológico das encostas, formando um banco de dados geotécnicos, possibilitando intervenções para contenção antes do desmatamento ocorrer”, disse.

Os bloqueios

Dezessete rodovias sofreram interdição total ao menos uma vez:

Federal: Régis Bittencourt (BR-116).

Estaduais concedidas: Rodovia Anchieta (SP-150), Anhanguera (SP-330), Tamoios (SP-099), Antônio Romano Schincariol (SP-127), Doutor Paulo Lauro (SP-215) e Marechal Rondon (SP-300).

DER: Rodovia Nequinho Fogaça (SP-139), em Sete Barras; Péricles Bellini (SP-461), em Votuporanga; Via de Acesso Vereador José Pinto de Souza (SPA-043/125), em São Luiz do Paraitinga; Miguel Gantus (SP-383), em Herculândia; João Roman (SPA-042/125); Dr. Manoel Hyppólito Rego (SP-055), em São Sebastião e Ubatuba; Dom Paulo Rolim Loureiro (SP-098), em Bertioga; dos Tropeiros (SP-068), em Areias; Francisca Mendes Ribeiro (SP-221), em São José do Barreiro; e Estrada de Juquitiba (SP-057), em Juquitiba.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês