Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Instituto Royal, que fazia testes com beagles, encerra atividades

Laboratório afirmou que não há condições de retomar as atividades devido às "elevadas e irreparáveis perdas" com o roubo de 178 cães beagle

Por Da Redação 6 nov 2013, 14h24

O Instituto Royal informou nesta quarta-feira que encerrou suas atividades na cidade de São Roque, no interior de São Paulo. Em comunicado oficial, o laboratório atribuiu a decisão às “elevadas e irreparáveis perdas” e “à instabilidade e crise de segurança que colocam em risco permanente a integridade física e moral de seus colaboradores”. O instituto foi invadido, no dia 18 de outubro, por um grupo de ativistas que roubaram 178 cães da raça beagle usados em testes.

No comunicado, o instituto diz que era o único a realizar testes pré-clínicos para desenvolver medicamentos para o tratamento de doenças como câncer, diabetes, hipertensão e epilepsia. “A partir de agora, qualquer empresa interessada na realização de testes para registro de medicamento será obrigada a realizar suas pesquisas fora do país, até que outro laboratório seja credenciado pelo Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal para essa atividade”, afirma a nota.

Leia também:

‘Uso de animais em experimentos não é opcional’, diz pesquisadora

“Se houvesse uma alternativa, não faríamos testes com animais”

“Nunca tinha ouvido um grito de dor igual”, diz Luisa Mell

O instituto diz ainda que tomará providências para assegurar que seja dado tratamento e destinação adequados aos animais capturados. A decisão de fechar a unidade em São Roque, porém, não afeta as atividades do Instituto Royal na unidade Genotox, em Porto Alegre (RS), onde não são feitos testes com animais.

Uma semana após a invasão, a Prefeitura de São Roque fez uma vistoria no local e concluiu que o lugar estava apto para realizar as atividades. Um dia depois, porém, o prefeito Daniel de Oliveira Costa (PMDB) voltou atrás e suspendeu a licença por sessenta dias. Segundo ele, a suspensão resultou de um acordo com o próprio instituto para que fossem apuradas denúncias de maus-tratos aos animais.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)