Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Instalações olímpicas ainda não têm serviço de revista

Empresa contratada por R$ 17,3 milhões não tem qualquer experiência no serviço e Comitê Rio-2016 precisou chamar outra firma para fazer checagem de bens

Por Leslie Leitão, do Rio de Janeiro Atualizado em 28 jul 2016, 12h20 - Publicado em 28 jul 2016, 11h23

Em qualquer sistema de segurança do mundo – seja em aeroportos ou grandes eventos – forma-se uma fila para a checagem de malas, bolsas, mochilas e sacolas. No jargão dos profissionais da área, o processo chama-se Mag & Bag, a revista por raio-x (magnética ou mag) e de bolsas (bag). Os especialistas consideram estas as barreiras mais importantes para evitar ataques terroristas ou mesmo a entrada de armas, facas ou objetos cortantes.

Para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a responsabilidade desta operação ficou a cargo da Secretaria Extraordinária de Grandes Eventos (Sesge). Há um ano a secretaria vem arrastando a contratação da empresa que ficaria com a missão. A licitação só foi concluída no início do mês. E a desconhecida Artel Recursos Humanos, empresa de Navegantes, em Santa Catarina, foi quem venceu o pregão e abocanhou o contrato de 17,3 milhões de reais.

A Artel não tem qualquer experiência no ramo. Isso é perceptível. As entradas de algumas das principais instalações olímpicas estão sem fiscalização. O site de VEJA fez o teste ontem, no quarto dia em que as áreas da Olimpíada estão oficialmente liberadas. Tanto no Maracanã, palco da cerimônia de abertura, no próximo dia 5, quanto no Estádio do Engenhão, onde a maior estrela dos Jogos, o jamaicano Usain Bolt, correrá em busca de mais medalhas, a Artel não tinha um funcionário sequer nos checkpoints. “Também quero saber onde eles estão”, dizia um soldado da Força Nacional, que tem a missão de auxiliar essa operação de revista em cada instalação olímpica.

Leia também: PF do Rio prende suspeito de ligação com terrorismo

Em ambos os estádios alguns equipamentos de raio-x foram colocados debaixo de tendas, mas não havia ninguém para operar: “Não nos ensinaram nada. Não temos o equipamento. Apenas dois detectores foram instalados”, desabafou um outro integrante da Força Nacional.

Um integrante da equipe de segurança do Comitê Rio-2016 explicou a VEJA a complexidade da situação: “É preciso entender como funciona o sistema. Para um leigo, uma maçã pode parecer uma granada olhando pelo monitor. Então, se não houver profissionais treinados e capacitados para o serviço, essa operação, além de causar filas intermináveis, vai deixar as instalações absolutamente vulneráveis”, diz.

Esta preocupação acendeu o sinal de alerta dentro da própria organização. Na terça-feira, o delegado federal Luiz Fernando Corrêa, diretor de segurança da Rio-2016, enviou um e-mail para os envolvidos no tema alertando para o risco de um colapso da operação, já que a cada dia o número de revistas vai aumentando consideravelmente, à medida que mais e mais atletas, jornalistas e funcionários frequentam as áreas olímpicas.

Continua após a publicidade

Nos centros de mídia no Parque Olímpico, por onde circularão mais de 20 000 profissionais credenciados, esse colapso já aconteceu. Na semana passada, a Artel admitiu não ter condições de enviar profissionais treinados para o Mag & Bag nesta primeira semana pré-jogos.

A solução encontrada pelo Comitê Organizador foi buscar às pressas uma empresa com mais experiência no ramo. A escolhida foi a Sunset Vigilância, que trabalhou na Copa do Mundo de 2014 e até hoje é a responsável pela operação do Maracanã em jogos dos clubes cariocas. O acordo, no entanto, só vale até sexta-feira: “Não sabemos o que acontecerá a partir daí”, diz o oficial de segurança.

A escolha da Artel surpreendeu a todos que trabalham na área. Em seu site, a empresa apresenta-se como especializada em “serviços de recrutamento e seleção de efetivos, locação de mão-de-obra temporária e terceirizados de apoio”. Não há uma menção sequer sobre segurança. E o próprio item de recrutamento de pessoas não indica vagas para a função para a qual foi contratada no último dia 1º de julho.

No centro de mídia, Artel não ocupou os postos e obrigou o Comitê Rio-2016 a contratar uma outra empresa temporariamente
No centro de mídia, Artel não ocupou os postos e obrigou o Comitê Rio-2016 a contratar uma outra empresa temporariamente Leslie Leitão/VEJA

A reportagem de VEJA procurou o secretário da Sesge, Andrei Rodrigues, mas não houve resposta. O dono da Artel, o jovem Deivison Scheffer Jacinto, de 25 anos, também não atendeu aos questionamentos da reportagem. Na semana passada, o jornal Folha de S. Paulo revelou que a Artel Recursos Humanos havia contratado a Simetria Serviços Empresariais, do Rio de Janeiro  ela seria a responsável por preencher as quase 6 000 vagas para a função de operar o sistema Mag & Bag. O jornal revelou ainda que alguns candidatos se inscreveram via internet e acabaram aprovados, recebendo um certificado com a assinatura do secretário da Sesge.

“Não dá para entender porque isso não foi definido há tempos. Havia 6 000 posições para ocupar, contrataram uma empresa que jamais fez esse serviço e até agora ninguém decidiu como a operação será realizada”, afirma o dono de uma empresa de segurança.

Para se ter uma ideia da complexidade da operação, este serviço para a Olimpíada de Londres foi assinado um ano antes dos Jogos, em 2012. Ainda assim, às vésperas da competição, a empresa vencedora declarou-se incapaz de dar conta de toda a inspeção. Com isso, militares das forças armadas foram obrigados a executar a missão. Para os Jogos de Tóquio, em 2020, os contratos estão começando a ser licitados agora. “É preciso treinar os funcionários. É um serviço específico demais, que exige treinamento e prática. E, sinceramente, eu imaginava que ao menos nessas áreas olímpicas, teríamos um sistema de segurança superior. Não é o que estamos vendo”, diz Vinícius Cavalcante, diretor da Associação Brasileira dos Profissionais de Segurança.

No Maracanã, Força Nacional faz a revista de quem entra e sai, enquanto funcionários da Artel não aparecem para trabalhar nas máquinas de raio-X
No Maracanã, Força Nacional faz a revista de quem entra e sai, enquanto funcionários da Artel não aparecem para trabalhar nas máquinas de raio-X Leslie Leitão/VEJA

Nesta manhã, a reportagem encontrou alguns poucos funcionários da Artel fazendo a checagem dos pertences de atletas e funcionários que chegavam à Vila Olímpica.

Funcionários operam equipamento de raio X que será usado na segurança da Rio 2016
Funcionários da Artel operam equipamento de raio X na Vila Olímpica Leslie Leitão/VEJA
Continua após a publicidade
Publicidade