Clique e assine com até 92% de desconto

Imprensa internacional festeja passagem do Brasil para as quartas de final

A americana CNN e o argentino 'Clarín' tratam a seleção brasileira como favorita para levantar a taça da Copa do Mundo da Rússia

Por Da Redação Atualizado em 2 jul 2018, 16h35 - Publicado em 2 jul 2018, 14h24

A passagem da seleção brasileira para as quartas de final da Copa do Mundo da Rússia foi celebrada hoje, 2, pela imprensa internacional. Em relação aos dois possíveis adversários na partida de sexta-feira, 6, Bélgica e Japão, o jornal belga Gazet van Antwerpen ressaltou o fato de ambos os rivais de hoje estarem motivados para a partida em Samara contra o México. O japonês The Mainish Shinbum destacou o fato de o Brasil, com os dois gols desta segunda-feira, ter alcançado 228 gols em Copas do Mundo, superando a Alemanha, agora com 226.

“O Brasil tinha uma alta reputação a manter nesta partida, pois desde 1990 se classifica para as quartas de final. Neymar foi o grande jogador do Brasil: marcou um gol e ajudou no segundo”, publicou o Gazet.

  • O jornal mexicano La Jornada destacou as atuações de Neymar e William, que acabaram “com as ilusões do ‘Tri’ [de tricolor, apelido da seleção mexicana] para disputar o esperado quinto jogo”. O periódico citou a boa atuação da seleção do México no início do primeiro tempo.

    “No entanto, nos últimos minutos, o Brasil começou a mostrar o domínio de jogo, que duraria no segundo tempo, e a qualidade que caracteriza a seleção”, segundo o La Jornada, que considerou a atuação de William a mais ameaçadora para a seleção mexicana, embora Neymar tenha “brilhado em campo”.

    O espanhol El País focou na atuação da seleção do México, destacando as grandes defesas do goleiro Guilhermo Ochoa, às quais chamou de “espetáculo”. De acordo com o jornal, “as ofensivas mexicanas não tiveram pólvora suficiente para vencer o gol de Alisson”. Também destacou a vitória brasileira no contra-ataque: “Com um México voltado para o ataque, e sem bússola, Neymar jogou para o goleiro Ochoa, parou e deixou a um Roberto Firmino que não falhou para o 2-0”.

    Continua após a publicidade

    Hexa

    A CNN abriu seu texto chamando atenção para o fato de o Brasil ser uma das últimas grandes seleções a sobreviver nesta copa. “Em uma Copa do Mundo que teve pouco respeito por pedigrees, o Brasil garantiu que não se tornaria o último grande a cair”, afirmou. A rede americana trata o Brasil como o favorito para vencer o torneio e cita a invencibilidade brasileira nos últimos quinze jogos.

    O jornal argentino Clarín chama Neymar de extraordinário e destaca a atuação da defesa brasileira. Para o jornal de Buenos Aires, o caminho brasileiro rumo ao hexa já está traçado. “O Brasil avança em ritmo constante. O ataque tem as pinceladas de Neymar e volta para uma defesa sólida, essencial para vencer a Copa do Mundo. Técnico Tite construiu uma fortaleza e tem a estrada pavimentada para manter o sexto título do mundo.”

    O jornal conservador francês Le Figaro fez questão de tratar o time brasileiro como tem sido chamado costumeiramente no Brasil: a “seleção”. “Grâce à Neymar, la seleção se hisse en quarts de finale”, estampou no seu portal (Graças a Neymar, a seleção se levantou para as quartas de final). A publicação assinala que, “em uma competição na qual os favoritos vão desaparecendo, um atrás do outro, a seleção não tremeu diante do México nas oitavas de final”.

    O italiano Corriere della Sera, chamou a atenção para o “começo lento dos verde-amarelos” e para o “grande segundo tempo”, no qual venceram a resistência dos tricolores mexicanos. O jornal mencionou a vantagem aberta por Neymar, “que fez com o calcanhar uma belíssima ação aberta” e fez a assistência para Firmino marcar o segundo gol.

    A BBC também destacou a atuação de Neymar na partida contra o México e a tentativa do técnico Tite de apagar a sombra do 7 a 1 no jogo Alemanha e Brasil, em 2014.  Mas, em análise para a Rádio 5, da BBC, o ex-atacante inglês Dion Dublin criticou as quedas exageradas do jogador brasileiro.

    “Eu sinto vergonha por Neymar”, disse Dublin. “Ele é um dos maiores jogadores do mundo, mas, quando ele rola no chão, eu simplesmente não entendo. Qual é jovem? Você é melhor do que isso, continue com o jogo.” 

    Continua após a publicidade
    Publicidade