Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Identificados oito dos 34 mortos após desastre em Brumadinho

Segundo o último número do Governo de Minas Gerais, 296 funcionários da Vale seguem desaparecidos; buscas serão retomadas pela manhã

Dos 34 mortos confirmados após o desastre do rompimento de uma barragem da Vale em Brumadinho (MG), oito foram identificados na noite deste sábado 26.

Além da médica Marcelle Porto Cangussu, que já havia sido identificada no começo da tarde, podem ser confirmados os falecimentos de Jonatas Lima Nascimento, Carlos Roberto Deusdedit, Leonardo Alves Diniz, Fabrício Henriques, Robson Máximo Gonçalves, William Jorge Felizardo Alves e Eliandro Batista de Passos.

Segundo o último número informado pelo Governo de Minas Gerais, 296 pessoas seguem desaparecidas. A lista compreende apenas os funcionários da mineradora Vale, sendo 166 contratados e 130 terceirizados. Apesar de relatos de moradores do Córrego do Feijão, bairro a poucos metros da barragem, o Governo diz que a Defesa Civil não recebeu avisos de pessoas desaparecidas que não as da empresa.

No fim da tarde, a mineradora divulgou uma lista com os nomes das pessoas não localizadas até agora. Ao todo, 366 pessoas foram resgatadas com sucesso, das quais 221 funcionárias da Vale e 145 terceirizadas.

As buscas foram suspensas as 20h deste sábado e retornam no início da manhã de amanhã. Ao anunciar a suspensão dos trabalhos, os bombeiros orientaram os moradores com familiares desaparecidos a voltarem às suas casas e comparecerem no local novamente no dia seguinte.

Autoridades

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), decretou luto oficial de três dias no estado e o presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinou um decreto que cria o Conselho Ministerial de Supervisão de Respostas a Desastre e o Comitê de Gestão e Avaliação de Respostas a Desastre. Bolsonaro embarcou na manhã deste sábado para Belo Horizonte, onde ele e Zema se encontraram e sobrevoaram juntos a região afetada.

O conselho criado pelo presidente inclui os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que o coordenará, da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva; da Cidadania, Osmar Terra; da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; de Minas e Energia, Bento Albuquerque; do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto; da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves; do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, general Augusto Heleno; e o advogado-geral da União, André Luiz de Almeida Mendonça.