Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Hospital do Fundão deve ser retomar cirurgias amanhã

Por Solange Spigliatti

São Paulo – O Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, na Ilha do Fundão, zona norte do Rio, deve retomar amanhã a marcação de cirurgias. Uma rachadura na estrutura do prédio provocou ontem a suspensão dos procedimentos. De acordo com a assessoria de comunicação do hospital, as 22 cirurgias canceladas ainda não foram agendadas novamente por não serem de emergência. De acordo com o hospital, ontem foram feitas 1.168 consultas ambulatoriais e estão agendados 1.228 atendimentos para hoje. Há 202 pacientes internados na unidade.

A unidade de saúde estava movimentada, pela manhã, e muitos pacientes sequer sabiam da fenda que apareceu em uma das paredes do prédio, no 12º andar. A enfermeira Ingrid Luciana da Silva, que trabalha no local há quatro anos, informou que alguns colegas chegaram a sentir o prédio tremer nos últimos dias. “Eu não senti nada, porque trabalho no subsolo, mas conheço funcionários que estão apreensivos, porque viveram de perto o drama do ano passado, quando parte do edifício precisou ser demolida”, disse a enfermeira.

O Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura e Agronomia (Crea) e os engenheiros do Programa de Pós-Graduação de Engenharia (Coppe/UFRJ) concluíram que não existe risco de abalo estrutural. Em dezembro, a ala sul do hospital, que nunca havia sido usada e estava abandonada há anos, precisou ser implodida. Um cartaz na entrada do hospital protestava contra o entulho acumulado há oito meses ao lado do edifício, desde a demolição.

Segundo alguns funcionários e estudantes, os escombros têm atraído ratos nas proximidades. Em nota, a unidade de saúde informou que tem contrato com uma empresa privada responsável pela prevenção e controle de pragas (cupins, ratos, baratas, mosquitos e outros vetores) que, semanalmente reforça esta manutenção. Representantes do Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Sintufrj) distribuíam folhetos sobre a falta de recursos e pessoal na recuperação dos hospitais universitários. As informações são da Agência Brasil.