Clique e assine a partir de 9,90/mês

Homem decapita namorada grávida e entrega cabeça na delegacia

José Ramos dos Santos, de 23 anos, não demonstrou arrependimento: 'Ela merecia morrer'

Por Da Redação - 30 mar 2015, 11h10

Um rapaz de 23 anos confessou a morte da namorada e entregou a cabeça dela na delegacia em que se apresentou neste sábado, em São Paulo. José Ramos dos Santos se entregou no 1º Distrito Policial (DP) – Sé dois dias depois de ter estrangulado e decapitado Shirley Souza, de 16 anos, com quem mantinha um relacionamento há cerca de um ano e que estava grávida de sete meses. Para surpresa dos plantonistas, Santos mostrou a cabeça da vítima, que estava enrolada em um saco plástico e guardada na mochila que carregava. Ele está preso temporariamente.

O caso acabou registrado no 8º DP – Brás, onde havia um delegado de plantão. Santos relatou ter cometido o crime depois que Shirley confessou tê-lo traído com um amigo do casal no final do ano passado. Ele não mostrou arrependimento, segundo a polícia. “Ela merecia morrer, sim. Mas depois percebi que a família dela não merecia isso”, relatou. Santos contou que, na quinta-feira, havia se encontrado com a adolescente na casa onde morava com o irmão, localizada na Rua Manuel Rodrigues Mexelhão, região da Pedreira, na Zona Sul da capital paulista. Os dois estavam tentando reatar, após sucessivas brigas, e tiveram relações sexuais.

Em uma crise de ciúmes, Santos começou a questionar a namorada sobre possíveis traições. “E ela confessou ter saído com o Eduardo. Era um amigo nosso”, contou. Segundo informações do boletim de ocorrência, o criminoso estava desconfiado da fidelidade de Shirley desde o final do ano passado, pois ela havia comentado sobre alguns casos amorosos na frente dele, acreditando que Santos estava sob efeito de drogas. A desconfiança aumentou ainda mais depois que leu na carteirinha do posto de saúde da vítima que sua última menstruação foi em agosto, período em que estavam separados.

Depois da confissão sobre a traição, ele teria dito à jovem que ela podia “ficar tranquila”, que nada aconteceria a ela. Mas quando Shirley estava se preparando para entrar no banho, ele veio por trás e lhe aplicou uma “gravata”, até ela ficar desacordada. Como estava gelada, Santos acreditou que Shirley estava morta. Foi até a cozinha, pegou uma “uma faca branca” cortou o pescoço da jovem, arrancou a cabeça e a enrolou em um saco plástico, que foi guardado na mochila. O corpo foi enrolado em um edredom e escondido atrás do botijão de gás. Mais tarde, Santos precisou mover o corpo porque o irmão começou a sentir o mau cheiro. Então, ele escondeu o cadáver embaixo das escadas de uma viela próxima à casa.

Continua após a publicidade

Quando os vizinhos perceberam o corpo e acionaram a polícia, por volta das 19h30 do último sábado, Santos pegou a mochila e decidiu se entregar. O celular dele foi apreendido. O caso foi registrado como homicídio qualificado pela 8º e 98º DP e segue em investigação.

(Da redação)

Publicidade