Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Haddad nega relação entre novos ministros e campanha

Por Daiene Cardoso

São Paulo – O pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, disse hoje que não vê relação entre a troca de ministros no governo Dilma Rousseff – para a acomodação de partidos da base aliada – com a disputa eleitoral na capital paulista. “Não tenho visto reflexo federal no plano municipal”, afirmou o petista, durante visita ao distrito de Ermelino Matarazzo, na zona leste da capital. “Em nenhum momento, considerações de ordem federal estão sendo colocadas como condição, até porque seria impossível para nós equacionarmos”, acrescentou. Segundo ele, apesar de o PT manter a estratégia de aproximação com as siglas da base de apoio da presidente Dilma Rousseff, vai haver respeito às candidaturas em São Paulo, dos aliados no plano federal.

A presidente Dilma Rousseff anunciou nesta semana o nome do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), também bispo da Igreja Universal, como o novo ministro da Pesca. Com a indicação, o Palácio do Planalto estaria tentando blindar o pré-candidato do PT de ataques religiosos, bem como viabilizar uma aliança entre PT e PRB na sucessão à Prefeitura de São Paulo, com a eventual desistência da pré-candidatura do ex-deputado federal Celso Russomanno. O pré-candidato do PT negou que a nomeação de Marcelo Crivella para o Ministério da Pesca tenha ligação com a sua pré-candidatura em São Paulo, sobretudo no episódio da divulgação dos kit anti-homofobia do Ministério da Educação. “Primeiro, que o Crivella não é da cidade, ele é uma grande liderança do seu partido e um senador respeitado”, respondeu.

Haddad disse que não acredita na possibilidade do novo ministro interferir junto à bancada evangélica e, assim, poupá-lo de críticas sobre o kit. Segundo ele, ele vem mantendo uma boa relação com os evangélicos e que, em nenhum momento, a bancada sustentou essas críticas pessoalmente. “As críticas aparecem como uma futrica no jornal, nunca foram uma conversa frente a frente”, afirmou. Para o ex-ministro da Educação, há um exagero na publicidade do assunto e isso vem produzindo efeitos ruins para a sociedade. “A sociedade começa a aparecer como mais intolerante do que realmente é”, afirmou.

O pré-candidato do PT argumentou que vê nas candidaturas do PMDB e PRB uma estratégia local dos partidos, e não uma forma de pressão por espaço no governo da presidente Dilma Rousseff. “A provável candidatura do PMDB na cidade de São Paulo não tem nada a ver com o que se passa em Brasília, é uma estratégia local do vice-presidente da República, Michel Temer, de aumentar a presença do PMDB na cidade e no Estado de São Paulo. É uma estratégia que independe das boas ou não tão boas relações momentâneas de um determinado período”, considerou. O petista revelou ainda que falou recentemente com o pré-candidato do PMDB, deputado federal Gabriel Chalita, e que marcaram uma conversa sobre o cenário em São Paulo. “Você tem o primeiro turno, provavelmente um segundo turno, e um governo depois. Então, nesse jogo de xadrez, você tem de antecipar movimentos”, disse.

O pré-candidato do PT disse que não descarta a possibilidade de composição com o pré-candidato do PMDB, mas que “não é elegante incidir sobre uma candidatura que tem uma base de legitimidade”. Na opinião do petista, o PRB também tem a sua estratégia local e que, possivelmente, manterá a pré-candidatura de Celso Russomanno.