Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Grupos de caminhoneiros se fortalecem sempre que ameaçam parar o país

Na gênese da confusão na Petrobras, aparece o "exército da boleia", do qual o presidente conhece bem o poder de fogo

Por Thiago Bronzatto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 13h28 - Publicado em 26 fev 2021, 06h00

Em 2018, o Brasil experimentou as consequências de uma greve improvável. Durante dez dias, governo e caminhoneiros mediram forças. A categoria exigia uma redução dos preços do óleo diesel, que, em um ano, havia subido mais de 50%. O movimento foi ganhando dimensão, até paralisar as rodovias, provocar o desabastecimento de combustíveis, alimentos e remédios, além de desorganizar toda a cadeia produtiva. Fábricas tiveram de suspender suas atividades por falta de matéria-prima, empresas aéreas reduziram voos e aulas foram canceladas. O problema é que, como não havia uma liderança estabelecida, não havia também com quem o governo negociar. Era tudo tão confuso que a pauta econômica se misturava à pauta política. Grupos se dividiam entre os que defendiam do combate à corrupção à intervenção militar. Acabou acontecendo a intervenção militar — mas para acabar com a greve que praticamente travou o país. Desde então, empoderados, os caminhoneiros pairam em Brasília como uma espécie de assombração, como se viu no episódio que terminou com a demissão do presidente da Petrobras.

Em janeiro, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, foi informado de que um grupo estava preparando uma paralisação nacional para o mês seguinte. Num vídeo que circulou no Whats­App, uma das lideranças da categoria praguejava contra o presidente Bolsonaro. “Vai fazer dois anos que está aí um governo pra quem a gente fez campanha. E até o presente momento não chegou nada para os caminhoneiros”, reclamava Plínio Nestor Dias, do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas, que diz representar 40 000 profissionais. A insatisfação começou a ganhar corpo, sobretudo com a constante alta do preço do diesel. Para evitar uma nova crise nas estradas, Tarcísio e sua equipe passaram a entrar em contato com dezenas de representantes de motoristas autônomos. “Para parar uma rodovia, basta um caminhão”, justifica o secretário nacional de Transportes Terrestres, coronel Marcello da Costa Vieira. Havia, de fato, indícios de uma tentativa de repetir a paralisação de 2018. A Polícia Rodoviária descobriu esconderijos onde eram guardados pneus para ser queimados no meio das rodovias e os pontos de bloqueio. Apesar do fiasco do plano, o episódio deixou Bolsonaro preocupado.

EMPODERADOS - Plínio Dias e Wallace Landim, o Chorão: os líderes do movimento têm linha direta com o governo -
EMPODERADOS - Plínio Dias e Wallace Landim, o Chorão: os líderes do movimento têm linha direta com o governo – (Eduardo Matysiak/Futura Press/Reprodução)

O presidente conhece bem o poder de fogo da boleia. Em 2018, quando a greve gerou um prejuízo estimado de 60 bilhões de reais, Bolsonaro, então deputado federal, gravou um vídeo se solidarizando com o movimento. “Apenas a paralisação poderá forçar o presidente da República (Michel Temer) a dar uma solução para o caso”, disse o parlamentar à época dos fatos. Após vestir a faixa presidencial, Bolsonaro passou a conviver com a espada dos caminhoneiros em sua cabeça. Nos últimos dois anos, houve treze tentativas de greve e a categoria ficou ainda mais fragmentada com o surgimento de novos representantes da classe. Ao todo, o Ministério da Infraestrutura mantém contato com cerca de oitenta líderes que dizem representar 1,5 milhão de caminhoneiros em todo o país. Nesse período, sempre com medo de uma nova greve, o presidente fez vários acenos. O último deles foi na semana passada, após a alta de 27% do diesel no ano — e novas ameaças.

Continua após a publicidade

“Onde está a palavra do governo federal, que na pessoa do presidente da República sinalizou a diminuição dos impostos federais dos combustíveis, e vamos para o quarto aumento consecutivo em menos de trinta dias se mantendo inerte, e nada fez de concreto até o presente momento?”, reclamou Wallace Landim, conhecido como Chorão, presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores, que diz representar 30 000 caminhoneiros. A resposta do governo foi imediata (e atabalhoada): Bolsonaro trocou o comando da Petrobras, decidiu zerar a cobrança de imposto federal sobre o diesel por dois meses, abrindo mão de 3 bilhões de reais em arrecadação, e anunciou que estuda mudar o sistema de cobrança do ICMS, um tributo que incide sobre os combustíveis e fica no caixa dos estados. Nenhum governador, evidentemente, vai querer abrir mão de receita. “Não é cabível que o presidente da República queira vulnerabilizar o equilíbrio fiscal dos estados brasileiros”, protestou o governador paulista João Doria. Com os últimos movimentos, Bolsonaro afastou a ameaça de greve. Mas o preço foi alto — e o exército de caminhoneiros ainda paira como um problema para o país.

Colaborou Hugo Marques

Publicado em VEJA de 3 de março de 2021, edição nº 2727

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.