Clique e assine com até 92% de desconto

Grupo promete mais protestos nesta sexta contra aumento de passagem

Polícia está monitorando mobilização pelas redes sociais; protesto nesta quinta terminou com depredações na Avenida Paulista e quinze detidos

Por Da Redação 7 jun 2013, 11h05

Os manifestantes que nesta quinta-feira causaram depredação e enfrentaram a Polícia Militar em protesto contra o aumento da passagem em São Paulo marcaram um novo ato para esta sexta. A concentração será às 17h no Largo da Batata, na Zona Oeste. A PM está monitorando a mobilização pelas redes sociais, mas não prepara nenhum esquema especial para a manifestação, segundo informou o coronel Reynaldo Simões Roque.

Responsável pela operação que tentou conter o protesto de quinta, Roque explicou que a polícia só interveio quando o grupo começou a depredar a cidade. “Eles não são manifestantes, são vândalos. Deixaram rastros por onde passaram”, disse em coletiva de imprensa.

“Temos expertise para garantir o direito à manifestação. Se ela for pacífica e legítima, só vamos acompanhar. Mas se houver violência, vamos intervir novamente”, declarou o comandante. Roque contou ter levado uma pedrada de um manifestante durante o confronto. Participaram da operação 320 policiais, e o coronel não informou se nesta sexta haverá aumento de efetivo acompanhando os protestos.

Confronto – O protesto realizado na noite desta quinta-feira foi marcado por confronto dos manifestantes com a polícia e depredação em uma das principais avenidas de São Paulo. Segundo a PM, um grupo de cerca de 500 pessoas fechou todas as vias da Avenida Paulista contra o reajuste da passagem de ônibus, metrô e CPTM de 3 reais para 3,20. O protesto começou por volta das 18h30 e os manifestantes só começaram a se dispersar às 21h45, deixando um rastro de vandalismo pela avenida.

Imagens captadas por helicópteros de emissoras de televisão mostraram alguns participantes depredando uma banca de revistas e espalhando lixo pela avenida. Uma fogueira chegou a ser acessa no meio das faixas, lixeiras foram queimadas e placas de trânsito foram danificadas.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade