Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Gravação denuncia violência contra presos em SC

Material seria um recado às autoridades sobre o descumprimento de suposto acordo com presos – possível razão da nova onda de ataques no estado

Por Da Redação 5 fev 2013, 11h27

Cópias de um CD com voz de um homem que denuncia violência contra os presos dos presídios de São Pedro de Alcântara, de Criciúma e de Itajaí, em Santa Catarina, foram entregues em uma delegacia e na Prefeitura de Florianópolis. O material foi interpretado como um recado às autoridades de segurança do estado que teriam descumprido um acordo para coibir os excessos no campo disciplinar dos presídios. O diretor do Departamento Prisional (Deap), Leandro Lima, negou a existência de qualquer tipo de negociação entre internos e autoridades.

O suposto trato teria sido realizado em novembro do ano passado, coincidindo com a ocasião em que foi registrada a primeira onda de atentados em Santa Catarina.

Entre as frases, publicadas pelo Jornal Notícias do Dia, a voz destaca: “Se continuar dessa forma, a bomba vai explodir. Se não for atendido nossos direitos aqui na penitenciária, a bomba vai explodir”.

“Os presídios de Canhanduba, em Itajaí, e Penitenciária Sul, de Criciúma, estão passando pelas mesmas situações desumanas para reabilitar um preso”, afirma a voz. “Nós já tentou (sic) dialogar. Já tentou (sic) chegar numa conversa várias vezes, mas da forma pacífica e legal nós nunca tivemos melhoria alguma. Nenhum resultado positivo. Só mais umas pancadas e humilhações”.

Continua após a publicidade

Leia também:

Governo de SC pretende isolar detentos em presídio federal

Após novos ataques, ônibus em Florianópolis terão escolta

A suspeita é que a voz seja de um dos detentos e possível chefe do Primeiro Grupo da Capital (PGC), facção criminosa que estaria por trás dos atentados no estado. Conforme informações preliminares, a gravação teria sido feita em São Pedro de Alcântara, município da Grande Florianópolis.

Até o momento, a nova onda de criminalidade do estado já soma 54 ocorrências em dezoito municípios desde o dia 30 de janeiro.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade