Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Grampo complica situação de Rose

Ligação mostra que ex-chefe de gabinete da Presidência em SP usou o cargo para conseguir reuniões de autoridades com integrantes da quadrilha

Um grampo da Polícia Federal captado durante a operação Porto Seguro revela que o empresário Paulo Vieira, apontado como chefe da quadrilha que fazia tráfico de influência em órgãos federais, conversou com um homem identificado pelo nome de César sobre reunião com o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel. A conversa foi no dia 23 de maio, às 11h07. “A agenda do Alípio com o ministro do Desenvolvimento foi marcada pro dia 6 de junho, eu preciso falar com o Alípio urgente pra falar da agenda”, disse Vieira.

O diálogo complica ainda mais a situação de Rosemary Nóvoa de Noronha, ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo. Para a PF, anotações na agenda de Rosemary – conhecida como Rose – mostram que ela se empenhou em promover reuniões de integrantes da organização criminosa com autoridades, “valendo-se do cargo de chefe de gabinete regional da Presidência”. Com a revelação do esquema, Rose foi exonerada do cargo pela presidente Dilma Rousseff.

Leia também:

PF faz busca e apreensão no escritório da Presidência em SP

Oposição quer que Congresso apure Operação Porto Seguro

No documento, a ex-assessora, que fora indicada para o cargo pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, escreveu um lembrete: “Agendamento de reunião com min. Pimentel no interesse de Alípio Gusmão – Bracelpa”. Gusmão é conselheiro da Associação Brasileira de Papel e Celulose (Bracelpa).

Em outra interceptação, a PF flagrou conversa entre Vieira e seu irmão, Rubens, também no dia 23 de maio, às 15h32. Eles falam da campanha de Fernando Haddad (PT), eleito prefeito de São Paulo nas eleições de outubro. O diálogo mostra prestígio de Rosemary em questões internas do partido. “É o seguinte, Rubens, o PT deve pedir pra Rose uma pessoa pra fazer parte da Comissão do Programa de Governo na área de controle, transparência, essas coisas”, disse Vieira. “Certo”, respondeu Rubens.

“O candidato natural seria eu, porque eu vim da CGU (Controladoria-Geral da União), mas é que eles não sabem”, prosseguiu Vieira. “Mas eu não vou fazer parte de comissão pro Fernando Haddad nem aqui nem na China. Aí eu falei pra Rose que o nome ideal seria você.” “Mas de controle?”, indagou Rubens. “Claro! Controle é direito administrativo”, incentivou Vieira.

“Eu vou montar um e-mail pra ela explicar lá. Eu vou dizer que você conhece muito porque foi da área de controle por muito tempo como corregedor”, completa o chefe do grupo.

(Com Estadão Conteúdo)