Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Governo de SP promete entregar seis obras de trem e metrô até 2018

Gestão Alckmin culpou a falta de repasses de programa federal pelos atrasos

Por Da Redação 2 set 2015, 16h23

A gestão Geraldo Alckmin (PSDB) agora garante entregar seis linhas do sistema metroferroviário, todas atrasadas, entre o final de 2017 e começo de 2018. A administração estadual também voltou a culpar nesta quarta-feira a falta de financiamento do governo federal pela série de atrasos nas obras de mobilidade.

Nesta quarta, o secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, garantiu que as linhas 4-Amarela, 5-Lilás (ambas incompletas) do Metrô, 15-Prata e 17-Ouro do monotrilho, 9-Esmeralda (extensão até Varginha) e 13-Jade da CPTM estarão em funcionamento nos próximos anos. Na última segunda-feira, ele e o governador culparam a falta de repasses do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) pelo atraso na linha de trem que vai ligar a Zona Leste da capital com o Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo.

Leia mais:

Preso suspeito de participar de tiroteio em que policial foi baleada na cabeça

Alckmin descarta 32 projetos de PPPs para infraestrutura no Estado

A Linha 13 – assim como o monotrilho da Linha 17, ligando o Aeroporto de Congonhas com a estação Morumbi – tinham sido prometidas pelo governo tucano para a Copa do Mundo de 2014. A obra integra o transporte sobre trilhos com os dois terminais aeroviários da Grande São Paulo.

A nova promessa de Pelissioni, de concluir os seis ramais nos próximos anos, foi feita no Seminário Nacional da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) & Transpúblico. O evento também teve a participação do ministro da Cidades, Gilberto Kassab (PSD). O ex-prefeito da capital paulista disse, durante coletiva de imprensa no evento, que o repasse do PAC de 250 milhões de reais para a Linha 13-Jade não foi feito porque o governo do Estado de São Paulo alterou o objeto do financiamento.

Kassab ainda afirmou que pasta precisa analisar novamente o pedido. Logo após o ministro ir embora, Pelissioni negou a mudança e afirmou que o dinheiro continua sendo planejado para a compra de energia, a instalação dos sistemas de telecomunicações e sinalização da Linha 13-Jade.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade