Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo de SC confirma chegada da Força Nacional

Tropas federais atuarão no combate à onda de criminalidade que assola o estado há duas semanas; nesta sexta-feira, foi registrada a 100ª ocorrência

O governo de Santa Catarina confirmou na tarde desta sexta-feira que homens da Força Nacional de Segurança (FNS) atuarão no combate à onda de ataques que assola o estado há mais de duas semanas. A informação foi confirmada pela assessoria do governador Raimundo Colombo. Os detalhes da operação, como número de homens e o período de atuação, serão anunciados ainda nesta tarde em uma entrevista coletiva com as autoridades de segurança do estado.

O envio de tropas federais para Santa Catarina foi decidido em uma reunião do governador com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, na quarta-feira. Porém, as autoridades locais e o ministério evitaram anunciar o reforço no patrulhamento por questões de segurança. Nesta quinta, Cardozo afirmou que um plano de ação estava sendo elaborado, mas disse que não poderia fornecer detalhes.

Também nesta quinta, a secretária estadual de Justiça, Ada de Lucca, chegou a afirmar durante uma reunião fechada com vereadores de Florianópolis, que tropas federais estavam a caminho do estado. Mais tarde, porém, ela negou a informação.

Na madrugada desta sexta, foram registrados mais dois ataques no estado. Em Laguna, no litoral sul, dois homens atiraram um coquetel molotov contra um caminhão estacionado, mas o explosivo falhou. Em Içara, na mesma região, bandidos atearam fogo em um carro depois de renderem um casal que estava no veículo. Ninguém se feriu. Nos dois casos, a polícia não conseguiu prender os criminosos.

Os crimes são atribuídos a uma organização criminosa do estado, o Primeiro Grupo Catarinense (PGC). Gravações telefônicas obtidas pela polícia mostram presidiários ordenando ataques como reação às condições das cadeias estaduais. Detentos ligados à facção criminosa deverão ser transferidos para presídios federais nos próximos dias.

Escolta – O governo catarinense e a prefeitura de Florianópolis também vão reforçar a escolta nas linhas de ônibus da região metropolitana da cidade para evitar novos ataques criminosos aos coletivos. Foi anunciado reforço no serviço de escolta aos ônibus durante a noite: o número de equipes fazendo esse trabalho passará de 40 para 80. O número adicional virá de policiais de outras regiões do estado que já estavam na capital para participar da Operação Veraneio.

Ricardo Setti: Florianópolis é a primeira capital a tornar-se refém de bandidos