Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Governo atrapalha reação do turismo ao revogar isenção de vistos

Medida, que tem muito de conotação política e nada de racional, vale para viajantes de países como Estados Unidos e Canadá

Por Sérgio Quintella Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Bruno Caniato
Atualizado em 17 mar 2023, 10h26 - Publicado em 17 mar 2023, 06h00

Um dos setores econômicos mais atingidos pela pandemia da Covid-19, o turismo brasileiro vê 2023 como o ano do renascimento. Após dois longos períodos de confinamento, restrições sanitárias e prejuízos bilionários, o segmento conquistou um salto de 36% em 2022 e aposta alto para recuperar de vez o tempo perdido. A perspectiva para este ano é de uma elevação de 54% nas idas e vindas de turistas país afora, segundo projeção da Fecomercio-SP. Trata-se de uma ótima expectativa também para a gestão de Luiz Inácio Lula da Silva, em tempos de aperto orçamentário e fiscal e necessidade de obtenção de novas receitas. Uma decisão do próprio governo, no entanto, criou um obstáculo adicional para que estrangeiros de quatro nacionalidades escolham o país na hora de planejar as férias. A partir de 1° de outubro, todos os viajantes oriundos de EUA, Canadá, Japão e Austrália — que representam 10% dos estrangeiros que desembarcaram por aqui no ano passado — precisarão de visto para entrar no país.

A medida tem muito de conotação política e nada de racional. A isenção de vistos para esses quatro países foi concedida pelo então presidente Jair Bolsonaro logo que assumiu o governo, em 2019. Uma das alegações da atual gestão para revogar a medida é a de que o Brasil passará a exercer novamente o direito à reciprocidade — os quatro países exigem vistos para brasileiros e se negaram a iniciar tratativas com o governo Lula. Outro motivo alegado é que a isenção de visto não representou um aumento na vinda de turistas dessas nações: foram cerca de 431 500 no ano passado ante 522 000 em 2018. As duas alegações, porém, não se sustentam. Primeiro, o Brasil precisa mais de receitas do que as quatro ricas nações e, portanto, se apegar à necessidade de reciprocidade é dar um tiro no pé. Segundo: não é possível fazer uma avaliação do impacto da medida em um período tão curto e amplamente afetado pela pandemia, que provocou uma retração mundial nos deslocamentos.

BEM-VINDOS - Alemães no Rio: competição cada vez maior por visitantes
BEM-VINDOS - Alemães no Rio: competição cada vez maior por visitantes (mangostock/Shutterstock)

A medida até agora não agradou a ninguém com algum bom senso. O descontentamento é amplo entre os representantes do setor. “Fomos surpreendidos pela decisão, será um retrocesso”, afirma Manoel Linhares, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH). A insatisfação é compartilhada pela Confederação Nacional do Turismo (CNTur), que destaca que os vistos prejudicam a competitividade brasileira na realização de eventos internacionais. “Vários países disputam para sediar congressos, e a não exigência de vistos é uma das prioridades para os organizadores”, aponta Wilson Luis Pinto, presidente-­executivo da entidade.

Continua após a publicidade

Mesmo dentro do governo, há pressão vinda de integrantes do Ministério do Turismo e da Embratur, que veem um grande erro do presidente em um momento de reconstrução da imagem do Brasil no exterior e da retomada do fluxo internacional após a pandemia. A decisão, no entanto, já foi tomada por Lula, anunciada pelo Itamaraty e há pouquíssima chance de recuo. O Ministério das Relações Exteriores tenta aliviar a situação alegando que os viajantes desses países têm direito ao chamado visto eletrônico, cuja concessão pode ser feita em 24 horas e tem um custo menor do que o visto tradicional.

Medidas atenuantes não eliminam o fato de que o governo deveria neste momento facilitar e não atrapalhar a chegada de estrangeiros. Apesar de perder feio na competição internacional (a cidade de Paris atrai mais visitantes que o Brasil inteiro), o setor de turismo vem crescendo por aqui, ainda que a duras penas. Hoje, emprega milhões de pessoas e movimentou no ano passado mais de 200 bilhões de dólares. Por isso, não precisa de mais obstáculos para a retomada após anos duros de prejuízos.

Publicado em VEJA de 22 de março de 2023, edição nº 2833

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.