Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Gilmar Mendes manda CNJ investigar conduta de juiz da Lava-Jato

Ministro do STF diz que Marcelo Bretas se recusa a cumprir ordem envolvendo secretário do governo de São Paulo

Por Mariana Muniz Atualizado em 9 mar 2021, 12h16 - Publicado em 19 dez 2020, 14h27

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, pediu que o Conselho Nacional de Justiça apure “eventual responsabilidade funcional” do juiz federal Marcelo Bretas — que cuida da Lava-Jato no Rio — pela recusa em cumprir uma decisão da Corte relativa ao secretário de Transportes de São Paulo, Alexandre Baldy. 

No despacho da última quinta-feira, o ministro do STF afirma que “diante da recusa” de Bretas em cumprir a decisão dele que mandava para aJustiça Eleitoral de Goiás a investigação da Lava-Jato contra o secretário de Doria, que chegou a ser preso por ordem de Bretas. 

“Determino que seja oficiado ao Conselho Nacional de Justiça (CNI), para a apuração de eventual responsabilidade funcional do Magistrado”, escreveu Mendes no documento a que VEJA teve acesso. 

Baldy foi acusado pelo Ministério Público Federal no Rio de Janeiro de receber ao menos 2,6 milhões de reais em propina de integrantes da organização social Pró-Saúde e da empresa Vermute. Após ser preso, em agosto, foi solto por determinação do ministro do STF, que também já havia suspendido a tramitação das investigações.

Continua após a publicidade
Publicidade