Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Gabinete de Braga Netto criou peça polêmica apenas com crianças brancas

Foto foi retirada de banco de imagens e usada na divulgação do programa Pró-Brasil; ONG aponta ilegalidade e pede providências para a ministra Damares

Por Mariana Zylberkan Atualizado em 23 abr 2020, 14h38 - Publicado em 23 abr 2020, 14h21

Uma peça publicitária do governo do presidente Jair Bolsonaro usada para divulgar o programa Pró-Brasil, lançado na quarta-feira 22, que tem o objetivo de incentivar investimentos estatais para alavancar a economia, virou alvo de críticas nas redes sociais por ter usado uma foto onde só aparecem crianças brancas, sem representar, portanto, a heterogeneidade da população brasileira.

A imagem aparece sob o slogan da gestão Bolsonaro, “Pátria Amada Brasil”, e está sendo divulgada nos canais oficiais da administração federal. A maioria das críticas aponta a falta de diversidade, como crianças negras ou índigenas – por outro lado, muita gente, principalmente apoiadores do governo, dizem que a polêmica é fruto de um ativismo exagerado.

ASSINE VEJA

Covid-19: Sem Mandetta, Bolsonaro faz mudança de risco nos planos A perigosa nova direção do governo no combate ao coronavírus, as lições dos recuperados e o corrida por testes. Leia na edição desta semana.
Clique e Assine

A peça oficial foi criada pelo gabinete do ministro da Casa Civil, o general Walter Braga Netto, que também tem liderado o programa Pró-Brasil e tem crescido como articulador-geral do governo, desempenhando cada vez mais um papel político relevante no governo Bolsonaro – já enquadrou o então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e escanteou o titular da Economia, Paulo Guedes, na concepção e anúncio do novo plano de investimentos federais. Ele também, como mostra a polêmica ação publicitária, tem tomado decisões relacionadas à área de comunicação oficial, que é comandada por Fabio Wanjgarten, chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social.

Continua após a publicidade

O diretor da ONG Educafro, frei David Santos, oficializou a insatisfação: enviou um ofício nesta quinta-feira, 23, à ministra da da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, para exigir a suspensão da propaganda. “Pedimos para trocar por outra foto que inclua crianças negras, indígenas e com deficiência física”, disse. Ele ressaltou que o Estatuto da Igualdade Racial contém artigo que obriga as agências de publicidade a retratar a diversidade racial nas propagandas. “É preocupante que o próprio governo não siga uma diretriz prevista em lei federal”, disse.

Há cinco anos, a Educafro enviou ofício às agências de publicidade de todo país exigindo maior comprometimento em retratar a miscigenação da população brasileira nas peças publicitárias, mas, segundo frei David, o pedido foi negligenciado.

A foto usada na publicação foi tirada de um banco de imagens gratuito, uma espécie de catálogo de fotos publicitárias que são usadas por agências ao redor do mundo. A mesma imagem foi usada em outras ações de comunicação divulgadas em outros países (veja abaixo alguns exemplos).

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês